A Tentação de Jesus

Mt 4:1

A vida é muito difícil. A porta que leva ao céu é estreita, o caminho curto, disse Jesus. Paulo fortaleceu os irmãos dizendo que no reino de Deus só se entra através de muitas tribulações. Portanto, a mensagem da teologia da prosperidade, aquela que tenta passar a idéia de que crente não sofre, é dita somente pelos muitos falsos profetas de plantão do nosso país. Além de todos os sofrimentos existentes, somos também tentados pelo diabo, em todo o tempo. Entretanto, vale lembrar que tentação não é pecado, se fosse, Jesus seria o maior pecador de todos (Hb 4:15). Aqui vai alguns princípios retirados na tentação de Jesus:

1-As maiores tentações sãos de fé


A maior tentação de Jesus não foi de pão, foi de fé. “Sé és filho” cadê o milagre? “Se és filho” cadê o pão? O diabo sempre tentará minar a nossa fé, porque ele sabe que primeiro a pessoa cai da fé, depois no adultério, no roubo e etc…

2-O diabo nos tenta em tempos difíceis.     “teve fome. Então”


Satanás é como o abutre que ao ver a presa frágil e debilidade, pousa do lado esperando apenas a hora certa para abocanhá-la. Foi no momento que Jó perdeu tudo que o diabo pousou através dos lábios de sua esposa para dizer: “Amaldiçoa o teu Deus o morre”.
É claro que o diabo também nos tenta nas épocas de vacas gordas, na realidade, ele nos tenta em toda e qualquer situação com o objetivo de nos levar para longe de Deus. Se for pobre, ele me diz: “Nossa, vale a pena servir a Deus assim? Se fosse você chutava o barco”. Se for rico ele declara: “Ah, para que você precisa de Deus? Quem conseguiu conquistar tudo o que você conseguiu não precisar ficar ouvindo pastor e nem freqüentando igreja”.

3-O diabo é persistente em suas tentações


Diz o que texto que Satanás tentou Jesus três vezes. O diabo não desiste facilmente de nos derrubar, sendo assim nós também precisamos ser perseverantes se não quisermos cair.
É dolorido ser perseverante, é difícil, é coisa de gente grande. Vê se criança consegue ser perseverante. Claro que não, porque ela só faz aquilo que gosta e que é prazeroso.
Ir à igreja, orar, dar dízimo, nem sempre gostoso. Mas por que insistimos em fazer tudo isto? Porque acreditamos que é o certo e por isto perseveramos. O profeta Jeremias, em Jr 25:3, declara que durante vinte e cinco anos ele se levantou de madrugada e pregou a palavra do senhor para um povo que não o escutou. É fácil ser pastor de uma igreja grande e maravilhosa, agora o que levá-la Jeremias a pregar durante tanto tempo para um povo de coração duro? Ora, por que Deus mandou, sendo gostoso ou não, Jeremias obedecia a Deus.
Em qualquer área da vida, a perseverança é um dos maiores ingredientes para a vitória. As vezes alguém pergunta: “Qual é o melhor negocio?” e minha resposta é sempre a mesma: “Aquele que a gente faz por um longo tempo”

4-Só come o melhor de Deus quem rejeitou o pior do diabo

Há uma idéia no meio cristão que declara: “O que Deus me deu, ninguém tira”. Isto é mentira, porque Esaú perdeu o direito de primogenitura, Saul perdeu o reino e a primeira geração de Israel ficou sem Canaã.
O diabo ofereceu para Jesus um pão vindo da pedra. Como Jesus rejeitou o “pão-pedra” do diabo, Deus deu um banquete para ele servido por anjos. Quer comer das mãos de Deus? Então rejeite o miojo rápido e fácil do diabo.



A função da Mulher

Tt 2:5
I Tm 2:15 

O mundo odeia o cristianismo. Portanto o que se espera de nós é que ao pregarmos a palavra do Senhor, sejamos perseguidos e odiados por ele. E se existe algo contestado pelo mundo é o modo que o cristianismo fala sobre família e o lugar da mulher em casa.
Há muitas ilustrações da igreja na bíblia: exército, edifício, lavoura, mas nenhuma é tão importante quanto a família. Mesmo porque esta não é uma ilustração é de fato uma realidade que vai permanecer por toda a eternidade, aja visto que no céu não precisaremos ser um exercito já que não vamos ter guerras para lutar, mas lá a única coisa que continuaremos a ser é uma família, por isto o diabo quer tanto destruir as famílias.
Minha mensagem hoje, com base nos textos acima é: Não é proibido que a mulher trabalhe (Pv 31), mas é proibido que ela passe a criação de seus filhos a outros.


1-A missão de educação dos filhos é dada a mãe e não a escola, a babá e nem aos parentes

Sl 127:3 diz que os filhos são benção do Senhor, porém nós como Esaú, estamos desprezando a benção. Pv 14:1A mulher sábia edifica sua casa”. A mulher sábia, não a baba, não a vovó, não a creche, mas sim você irmã é que deve ser responsável pela construção de um ambiente saudável em casa.
Atualmente as mães tem passado a responsabilidade da educação dos filhos para creches e escolas. Veja o que Mary Pryde, autora do livro, de volta ao lar, disse: “A creche é um dos males da sociedade moderna”. Vou citar para você um pequeno artigo que diz: “pesquisadores médicos descobriram um numero chocante de crianças com menos de 5 anos que estavam com doenças venéreas, e uma autoridade estadual relata que em 1983 foram fechadas 10x mais creches do que em 1978, por causa dos crimes sexuais”.
Em seu Livro “melhor tarde do que cedo” o autor defende a idéia que diz: “Até que eu tenha certeza de que eles serão capazes de se conduzir como cristãos maduros, não vou enviar meus filhos para uma situação onde eles irão enfrentar provável tentação sem minha ajuda. Quando meu filho for espiritualmente tão forte quanto Daniel, então que ele vá para a Babilônia”.
Em Is 8:19 diz: “a favor dos vivos se consultarão os mortos?”. Você acha mesmo que Freud, um cheirado de cocaína é uma boa influencia para seu filho? Você acredita mesmo que psicólogas que abandonaram seus filhos em casa por causa de uma carreira são pessoas confiáveis para te ensinar a como cuidar do seu filho? Sim porque as escolas jazem no maligno, e são conduzidas e influenciadas por estes tipos de pessoas.


2-Ninguém tem cuidado de um filho como o pai

Você que é mãe já perdeu a paciência com seu filho? Já ficou com vontade de esganá-los? Então imagina a babá, a vizinha… Quantos vídeos de babás espancando crianças nós necessitaremos para saber que nossos filhos têm que ser criados por nós? Quantas vezes mais precisaremos ouvir que na maior parte das vezes os abusos sexuais contra crianças são feitos por pessoas próximas e principalmente parentes, para assumir o cuidado dos nossos filhos?
O EUA tem um sistema de intercambio que é um absurdo. Um pai recebe em casa um garoto brasileiro, lhe prove um salário e moradia, em troca o garoto brasileiro serve de babá para o filho do casal americano. Meu deus, o pai deixa o filho na mão de um garoto de outro país, que ele não conhece e que talvez seja mais idiota que o próprio filho e depois não entendemos porque os EUA estão em crise econômica. “Ah, mas uma coisa não tem nada a ver com a outra”. Claro que tem. Meninos criados desta maneira tem um risco maior de crescerem delinqüentes, cheiradores de cocaína, e isto para a sociedade como um todo é catastrófico.
Moisés foi até Faraó pedir que este liberasse o povo de Israel para irem embora. Sabe a resposta do ditador? “Vocês podem ir, mas deixem as crianças” (Ex 10:11). Hoje temos aceitamos o convite do diabo, deixando nossos filhos nas mãos de Faraó, da escola ou do vizinho.
Pesquisadores têm afirmado que a maior causa de homossexualismo não é o abuso sexual quando crianças, e sim a falta de um referencial de masculinidade e feminilidade em casa.


3- A verdadeira causa do êxodo das mulheres de suas casas é a rebeldia

“Não gosto de cozinhar, cuidar de casa, de bebê”. Achamos normal, quando ouvimos isto de uma mulher e nos desculpamos dizendo que é uma questão de personalidade. Não, não é, é rebeldia e tem como pano de fundo o mesmo principio do homossexualismo. O que é um homossexual? É alguém que não aceita a ordenação de Deus: “Deus me fez de maneira errada, eu não gostaria de ser mulher” Ora, uma mulher que diz não gosta de criança é tão rebelde quanto um homossexual.
É abominável que uma mulher fazendo o mesmo serviço de um homem ganhe menos. É inaceitável que uma mulher não tenha direito ao voto. Graças a Deus isto está mudando em nosso país. No entanto, o que está por detrás mesmo do movimento feminista é uma rebeldia declarada contra Deus. Sobre a primeira conferencia do movimento feminista sobre espiritualidade das mulheres em 1976, um jornalista escreveu: 


De pé em cima dos bancos e dos púlpitos, elas dançavam com os seios de fora em meio aos hinários. A verdade é que elas estavam indignadas com os ensinos bíblicos dos homens do passado e aproveitaram essa oportunidade para afrontar e zombar abertamente do cristianismo numa igreja evangélica tradicional que elas haviam alugado para este evento” 


O mundo diz que você só será feliz, mulher, trabalhando fora. Será que ficar num escritório, cheio de estresse é melhor do que embalar seu bebê no colo? Será que trabalhar no meio desta selva é melhor do que ver seu filho crescer? Creio que não. 
Por que o mundo valoriza tanto o direito da mulher trabalhar fora mesmo ao preço dela deixar suas crianças abandonadas em casa? É porque o mundo valoriza dinheiro, carreira, enquanto que Jesus se importa com vidas. Quero te dizer algo: quando você decidiu ter um filho, você escolheu pela felicidade dele em primeiro lugar.
O cristianismo não é caracterizado pelo sucesso ou dinheiro, como muitos falsos mestres querem nos fazer acreditar, onde a prova de minha fé está no quão cheio está o meu bolso, o que define o cristianismo é o amor, a renuncia. Agora, se não estamos dispostos a nos sacrificar pelos nossos filhos, vamos fazer pelos nossos irmãos?
Sabe por que encontro mulheres cristãs que trabalham fora, enquanto deixam seus filhos em casa, tão estressadas? É porque um peixe não pode ser feliz fora d’água. Rm 2:15 diz que Deus colocou dentro de nós uma consciência. Eu não preciso pregar para você, dentro de ti a uma voz dizendo: “Algo está errado!”. Não sufoque esta voz, escute-a.
O cristianismo não é caracterizado pelo sucesso ou dinheiro, como muitos falsos mestres querem nos fazer acreditar, onde a prova de minha fé está no quão cheio está o meu bolso, o que define o cristianismo é o amor, a renuncia. Agora, se não estamos dispostos a nos sacrificar pelos nossos filhos, vamos fazer pelos nossos irmãos?
Logo após ganhar o prêmio Nobel da paz, Madre Tereza de Calcutá foi questionada: “O que faremos para trazer a paz mundial?”. Para sua surpresa, porque esperava receber uma solução inusitada, o repórter ouviu o seguinte: 

“Vão para casa e amem suas famílias”.

Más Notícias: Papai Noel está chegando!

OK, provavelmente a criança não ficará sem presente. Mas você já parou para pensar como, muitas vezes, a figura do Papai Noel é apresentado como um grande legalista. Uma famosa música nos EUA (“Santa Claus Is Coming to Town”) diz:














































É melhor tomar cuidado / É melhor não chorar / Melhor não fazer bico / Vou dizer por que / O Papai Noel está chegando na cidade
Ele está fazendo uma lista / E verificando duas vezes / Ele vai descobrir quem foi bonzinho e quem foi malvado / O Papai Noel está chegando na cidade

E parece que muitos associam a visão do Papai Noel com o Papai do Céu. Uma delas é o bom velhinho apático que jamais enviaria alguém para o inferno e a outra, no outro extremo, é aquela que propõe uma busca pelo favor de Deus baseado nos seus próprios esforços (e não pela graça que há em Cristo Jesus) – sim, estou falando de você, teologia da prosperidade. No vídeo abaixo, John Piper compara esta concepção com a forma como nos achegamos a Deus através de Cristo.


Algumas clarificações

Como John Frame aconselha “nada é mais importante em teologia do que o senso de proporção”. Então, seguem algumas clarificações para mantermos um equilíbrio saudável:

1) Deus oferece aceitação gratuita através do evangelho. Todavia, todo pecador que não se arrepende e crê em Cristo tem a ira de Deus permanecendo sobre ele. “Por isso, quem crê no Filho tem a vida eterna; o que, todavia, se mantém rebelde contra o Filho não verá a vida, mas sobre ele permanece a ira de Deus.” (Jo 3:36)
2) Não somos salvos pelas obras ou pela prática da Lei, mas pela graça através da fé (Ef 2:8-9), mas isso não significa que Deus não tem interesse nenhum em nossas obras, afinal Ele nos “criou em Cristo Jesus para boas obras, as quais Deus de antemão preparou para que andássemos nelas” (Ef 2:10).
3) Apesar de Deus ter nos amado quando estávamos em delitos e pecados (Ef 2:1), com um amor supra-condicional (é, eu não disse incondicional; veja aqui e aqui o porquê) e nada que façamos possa aumentar ou diminuir esse amor, nossa experiência desse amor é condicionada a nossa obediência (Jo 14: 21,23). Abaixo segue uma tabela retirada do livro de Holiness by Grace: Delighting in the Joy That Is Our Strength de Bryan Chapell (Crossway, 2001 – via justintaylor) que deixa essa questão mais clara:

O que pode mudar O que não pode mudar
Nossa comunhão com Deus Nossa filiação
Nossa experiência das bênçãos de Deus O desejo de Deus pelo nosso bem
Nossa segurança do amor de Deus As afeições de Deus por nós
O deleite de Deus em nossas ações O amor de Deus por nós
A disciplina de Deus Nosso futuro
Nosso sentimento de culpa Nossa segurança


Transcrição
“É melhor prestar atenção, é melhor não chorar, é melhor não fazer bico. Vou dizer por que: Papai Noel está chegando.” “Então, tome jeito!” Essas não são boas notícias para mim. São más notícias. Nada de evangelho nessas notícias! Você vai para aquele “templo” encontrar com seu tesouro se você quiser, mas eu tenho notícias melhores para você, notícias muito melhores para pecadores! e todos estão pecando mesmo nesta “época de boas ações”. Todo mundo! Você não será bonzinho! E se Ele souber o que você está fazendo, você já era! E nós já éramos!
Então eu tenho um templo melhor para você. Segunda escolha: você pode escolher a maneira de Jesus de se conectar com Deus. O templo de Jesus. O templo do Papai Noel ou o templo de Jesus. “Eu entrego minha vida pelas ovelhas.” “Eu tenho autoridade para tomá-la de volta.” “Destrua este templo e em três dias eu o levantarei.” Jesus é o novo local de encontro com Deus. E Ele não diz: “melhor prestar atenção, melhor não chorar, melhor não gritar, vou dizer por que…” Ele não diz isso. Ele diz: 

“Todo aquele que vem a mim, eu jamais o lançarei fora.” Estas são boas notícias. São boas notícias natalinas. É o melhor presente de Natal que você jamais poderia receber.


Por John Piper © 2012 Desiring God Foundation. Usado com permissão. Website em português: www.satisfacaoemdeus.org. Trecho da pregação: Destroy This Temple, and in Three Days I Will Raise It Up.
Permissões: Você está autorizado e incentivado a reproduzir e distribuir este material em qualquer formato, desde que adicione as informações supracitadas, não altere o conteúdo original e não o utilize para fins comerciais.

lmd_source=”25466643″; lmd_si=”33684064″; lmd_pu=”22603089″; lmd_c=”BR”; lmd_wi=”468″; lmd_he=”60″;

Amor e tempo são sinônimos

 Imagine viajar e esquecer seu filho numa das paradas. Acha difícil? Mas é exatamente isso que muitos adultos fazem diariamente. Eles partem numa viagem rumo a ganhar dinheiro e fazer fama que ficam tão cegos pela ganância a ponto de perder sua família. Deste modo se tornam como o rei Davi, com sucesso no trabalho, mas fracassado em casa. J. Maxwell é quem disse: “Muito embora os pais amem seus filhos, todos os dias muitos adultos se afastam de suas famílias em sua busca pelo sucesso”.       Alguns pais não dão mais atenção para seus filhos, por estarem ocupados demais pensando em proporcionar uma vida melhor a eles, sendo que o que realmente eles desejam é o melhor de nós. Esta é a razão do porque vemos muitos jovens de classe média e alta caindo nas drogas e numa existência sem sentido. “Mas como?”- pergunta a sociedade- Eles tem tudo!”. Não, não tem. Podem ter tudo o que o dinheiro pode comprar, mas não possuem algo que é de graça, o amor e atenção dos pais.      “Eu não tenho tempo!” é o que muitos dizem. Mas não se engane, sempre temos tempo para aquilo que consideramos importante. Um homem estava pronto para ir ao circo com seu filho, quando subitamente o telefone tocou. Era do escritório chamando-o para fazer um serviço extra. Ele atendeu e disse que não iria. Sua esposa, surpresa, pergunta: “Você não vai?”. Ele olhou para ela e rapidamente respondeu: “Haverá mais trabalho amanhã, a infância é só uma vez!”.       Outros pais não são tão corridos assim e por trabalharem menos ou exercerem serviços que não tomam tanto o seu tempo, estão sempre presentes em casa, mas ausentes da família. São aqueles que gostam de estar na frente da televisão, ao lado de um amigo, porém nunca diante de seu filho. Sabem tudo a respeito da Filomena, personagem da novela das oito, mas nada sobre a Paulinha, sua filha. Podem descrever com exatidão a escalação inteira do seu time de futebol preferido, entretanto, não conhecem nem ao menos os melhores amigos do seu garoto.      Devemos dar atenção aos nossos filhos, pois é exatamente isso o que eles querem. Quando crianças os pequeninos dão uma cambalhota e dizem: “Pai, pai olha o que eu sei fazer. Você está olhando?”. Na adolescência esperam que vejamos o jogo de futebol, a aula de dança, enfim, o foco do que eles querem que nós olhemos pode mudar conforme a idade, mas um princípio permanece o mesmo; eles desejam que nossos olhos estejam constantemente neles. Mesmo que haja uma multidão na platéia, parece que a visão dos filhos sempre busca por apenas dois pares de olhares. O dos pais!      Um menino desenvolveu um grande interesse pelo beisebol. O pai durante as férias de verão levou o filho para ver todos os times da categoria pelo menos uma vez. A viagem levou tempo e dinheiro. Perguntaram ao pai: “Você gosta tanto assim de beisebol? Não! Mas eu gosto um bocado do meu filho”.      Se você não der atenção eles vão chamar sua atenção. Absalão, o filho revoltado de Davi, ficou dois anos morando na mesma cidade que seu pai, porém sem ver a face dele. Ele queria de todo jeito falar com Davi, tanto que enviou pelo menos duas mensagens até o rei. Entretanto, como não foi atendido, incendiou um campo.      Absalão pôs fogo num campo para chamar atenção. Hoje, muitos adolescentes põem fogo na escola, pircing no umbigo, bebida na boca e tem muitas outras atitudes que para nós são apenas comportamentos rebeldes, mas que na realidade são gritos de desespero que querem dizer apenas uma coisa: “Olha para mim, pai!”. Mesmo que trabalhe muito, separe tempo para estar com sua família. Programe férias, saia para passear e pare para conversar. Mas será que atitudes tão simples como estas fazem diferença? Pergunte aos jovens de hoje.      Somos seres que dependem de acontecimentos trágicos ou impressionantes para nos motivar a agir. Um pai descobre que seu filho precisa de um transplante de rim para sobreviver. Ainda que este homem tivesse apenas um, ele o daria para salvar a vida do menino. Possui esta coragem enorme diante de algo chocante, mas não tem audácia o suficiente para fazer uma coisa muito mais simples, que é dedicar dez minutos do seu dia para conversar com o garoto.


Pr. Rodrigo David

lmd_source=”25452227″; lmd_si=”33684064″; lmd_pu=”22603089″; lmd_c=”BR”; lmd_wi=”468″; lmd_he=”60″;

Saber é o princípio para vencer o pecado

Rm 6:6 “sabendo isto: que foi crucificado com ele o nosso velho homem, para que o corpo do pecado seja destruído, e não sirvamos o pecado como escravos”.

Aqui está a chave para vencer o pecado: “Sabendo isto”. É o conhecimento de uma verdade revelada pelo Espírito o fator mais importante na nossa luta contra o pecado que tenazmente nos assedia. Mas este conhecimento não é algo intelectual ou natural produzido pela nossa mente, mas sim um saber que vem do alto, chamado por Paulo de “revelação”. 
A primeira frase dita por Deus na criação do universo foi: “Haja luz!”. Porque antes de construirmos qualquer coisa em nossas vidas precisamos de iluminação. Ao chamar Paulo e lhe dar a missão de pregar para os gentios, Deus ordenou que esta obra era “para lhes abrires os olhos e os converteres das trevas para a luz” (At 26:18). Se converter, mudar de vida, abandonar o pecado é antes de tudo uma questão de iluminação. Por isto Paulo não cansava de orar por ela: “fazendo menção de vós nas minhas orações, para que o Deus de nosso Senhor Jesus Cristo, o Pai da glória, vos conceda espírito de sabedoria e de revelação no pleno conhecimento dele, iluminados os olhos do vosso coração” (Ef 1:16). Repare a diferença enorme que há entre as nossas orações e as do apóstolo:

-Nós: “Senhor me dá”. Paulo clamava: “Pai mostra que eles já tem”.
-Nós: “Senhor me liberta”. Paulo: “Jesus, traz a revelação de que eles já estão libertos”. 

Sendo assim a vitória não está tanto no fazer e sim no saber. É o vislumbre do que somos em Cristo que nos faz experimentar uma vida triunfante. Pense, de que adianta falar para um leão que se enxerga como um gafanhoto sobre a necessidade de enfrentar um urso? Sua mente precisa estar cônscia da sua força, para que então seu corpo siga sua mente.
“Quer vencer o mau gênio? Conte até dez! E a tentação sexual? Tome um banho frio”, estas são as táticas humanas que muitos ministros da auto-ajuda gostam de passar para seu povo. Porém, o apóstolo da graça disse:“não manuseies isto, não proves aquilo, não toques aquiloutro, segundo os preceitos e doutrinas dos homens? Pois que todas estas coisas, com o uso, se destroem.Tais coisas, com efeito, têm aparência de sabedoria, como culto de si mesmo, e de falsa humildade, e de rigor ascético; todavia, não têm valor algum contra a sensualidade”

Não são as regras que nos libertam, e sim a revelação: “conhecereis a verdade e a verdade vos libertará”. “Se o teu olho de faz pecar corta”. Este é um principio bíblico para vencer o pecado, que diz que a fonte das falhas sexuais está no olho. Portanto, não assista filmes, sites e nem olhe para coisas sensuais, mesmo que seja somente um pouquinho sensuais, porque assim você está alimentando a sua carne. Se a Tv, a internet te fazem pecar, corte-as. No entanto, se este princípio espiritual não for seguido da revelação daquilo que somos em Cristo, se torna algo natural que não resolve nada. Nem mesmo a oração é mais forte do que a revelação. Jesus disse: “Orai e vigiai para que não entreis em tentação”. Então alguns pensam que aqui está o segredo para a vitória. Mas lembre-se o padrão de Jesus ao orar: “Tendo erguido os olhos aos céus”. Os fariseus até oravam, mas de olhos fechados. Sem duvida, que orar é algo eficaz, mas nem mesmo a oração funcionará se seus olhos não enxergarem tudo o que Deus diz a teu respeito. 
Por que esta questão de revelação é tão importante? Porque é a grande responsável para despertar a fé. E no fim das contas é a fé que libera a unção de Deus sobre nós. Rm 10:17 “E, assim, a fé vem pela pregação, e a pregação, pela palavra de Cristo”.

Autor: Pr. Rodrigo David Mocellin



lmd_source=”25452202″; lmd_si=”33684063″; lmd_pu=”22603089″; lmd_c=”BR”; lmd_wi=”468″; lmd_he=”60″;

Falsa Suposição

Lc 2:41 
No contexto religioso em geral, são muitos os que ficam amedrontados ao ponderar sobre a morte e depois dela. As perguntas: Quem sou? De onde vim? E principalmente Para onde vou? Ainda assombra a vários. No fundo de suas consciências, ateus, ímpios e religiosos sabem que a sepultura não é um fim, mas um novo início, onde alguns experimentarão as bem-aventuranças e alegria eterna, outros, tormento infindável.
A passagem bíblica citada retrata de forma muito contemporânea as situações vividas em nossa volta. O mundo se preocupa com dinheiro, casa, conforto, moda, prazeres, pecados e acaba se esquecendo do principal: A salvação de suas almas.
José e Maria voltavam de um “culto”, talvez comentando sobre o que foi pregado, as músicas que tocaram, a moda gospel vigente em Israel, quando derrepente percebem que o menino Jesus não estava com eles. Vejamos o mal que essa falsa suposição causa nas pessoas:


1-Pensam que Jesus está com eles.

Do lado católico, há a crença de que meras cerimônias como o batismo, primeira comunhão e a crisma são o suficiente para acertar suas contas com o Todo Poderoso. Já do lado protestante não é diferente, há quem pense que o fato de ter nascido em um “Berço Cristão” ou freqüentar Igrejas Evangélicas há tempos são o bastante. O Enganador, como também é conhecido o diabo, tenta burlar a mente das pessoas dizendo que uma vida correta, cheia de boas obras, pessoas moralmente aceitas pela sociedade, freqüência assídua aos locais de culto e o nome no Rol de membros de uma igreja comprovam que Cristo esta com elas.
Esses chegaram diante do Senhor dizendo: “Senhor, Senhor…”, e ouvirão: “Apartai-vos de mim”. Muitos presumem que ser membro de uma igreja, é o mesmo que ser membro da Verdadeira Igreja de Cristo… E isso não se aplica só aos católicos.
O paralelo da história de José e Maria é fantástico: “Andaram caminho de um dia”, o que representa cerca de 30 ou 40 km até perceber existia algum problema.
Há algo fatal nessa falsa suposição de se achar cristão e que Jesus esta conosco. 

2- Por algum tempo ela sempre da um falso senso de paz, satisfação e felicidade.

Assim como José e Maria prosseguiram achando que o menino Jesus estava com eles e que estava tudo bem, isso também acontece em relação à salvação de nossas vidas, nem sempre essa situação se revela imediatamente. Lembro-me de um irmão após quase dois anos na igreja me dizer que ainda não era crente e, outro, após oito anos dizer que era convencido e não convertido. Assim como nos tempos de Noé, as pessoas comem, bebem, casam-se e se dão em casamento e não se preocupam com o “Menino” Salvador capaz de lhes conceder a Vida Eterna. Essa falsa suposição é como um Paliativo: Alivia temporariamente, tem eficácia momentânea, mas INCOMPLETA. Não podemos esquecer que o fato das coisas parecerem estar indo bem nada significa.
Lc 12:19-20 “Então, direi à minha alma: tens em depósito muitos bens para muitos anos; descansa, come, bebe e regala-te. Mas Deus lhe disse: Louco, esta noite te pedirão a tua alma; e o que tens preparado, para quem será?”
O teste real é quando você precisar de Cristo ou de buscá-LO e NÃO O encontra. Imagine o desespero e as lágrimas de José e Maria. Nessa hora eu te pergunto: Qual o valor da religião quando precisamos realmente de Cristo. Qual o valor de um salvador feito de gesso, madeira ou mesmo de ouro? (Sl 115). Você tem a certeza que Jesus está com você quando precisar dEle? E no leito de sua morte? E quando enfrentar o julgamento? Você sente paz ao pesar nisso? Esqueça seu “histórico” cristão, Ele lhe da paz Sl 4: 4…7-8 “Mais alegria me puseste no coração do que a alegria deles, quando lhes há fartura de cereal e de vinho. Em paz me deito e logo pego no sono, porque, SENHOR, só tu me fazes repousar seguro”. Ser cristão é ter a plena certeza de Cristo estar contigo em todo momento.
O que leva pessoas a tão grande erro? José e Maria presumiram que o menino os seguiria, que era Seu dever e obrigação fazer isso. Pensamos que podemos ir a qualquer lugar, fazer o que quisermos e Ele sempre estará ali quando precisarmos, ainda que com nossas atitudes mostremos que amamos mais o mundo que o Salvador, continuamos com a suposição que Ele está conosco. Isso é engano do diabo. Em Lc 19-44 Jesus diz que Israel não reconheceu a oportunidade da visitação. A porta do Reino está aberta, mais uma hora fecha. 
Graças a Deus que paralelo a essa história, descobrimos um lugar onde sempre encontraremos Jesus. vs 49 “Ele lhes respondeu: Por que me procuráveis? Não sabíeis que me cumpria estar na casa de meu Pai?”. Em Jo 14-23 lemos: “Respondeu Jesus: Se alguém me ama, guardará a minha palavra; e meu Pai o amará, e viremos para ele e faremos nele morada”, guardar é ouvir e obedecer, abandonar o pecado, É saber que só Ele pode nos justificar no julgamento. Todos nos encontraremos com Cristo um dia (2Co 5-10). Davi encontrou Jesus no trono, Estevão na sua morte por apedrejamento, Pedro na cadeia, Paulo no naufrágio e depois no final de sua vida em uma cadeia. Sabe qual a diferença desses homens para aqueles que têm uma falsa suposição de Jesus estar? 2 Tm 1-12 “Por que eu sei em quem tenho crido e estou certo que de que é poderoso para guardar o meu depósito até aquele Dia”. Eles tinham o testemunho do Espírito de que eram filhos de Deus. Você também tem? Não prossiga apenas “supondo” que Ele está contigo. Para finalizar gostaria de deixar as palavras de um homem piedoso chamado DAVID BRAINERD, que foi genro de Jonathan Edwards, converteu aos vinte anos e morreu aos vinte e nove. No final da sua vida, minguando sua força física e aumentando sua percepção espiritual, falava com mais e mais dificuldade: “Fui feito para a eternidade. Como anelo estar com Deus e prostrar-me perante Ele! Oh! que o Redentor pudesse ver o fruto do trabalho da sua alma e ficar satisfeito! Oh! vem, Senhor Jesus! Vem depressa! Amém!” – e dormiu no Senhor”.
Para caminhar com Cristo há um preço que não é muito barato: Santidade, renúncias, privações. Mas o preço de andar sem Cristo é muito maior. José e Maria ao ver que Jesus não estava com eles e VOLTARAM. E você?

Preparando-se para o Casamento – O Inigualável Objetivo: O Casamento Vivido para a Glória de Deus!

Meu tópico para este capítulo é “O casamento vivido para a glória de Deus”. A palavra decisiva neste tópico é a palavra “para”. “O casamento vivido para a glória de Deus”. O tópico não é: “A glória de Deus para a vivência do casamento”. E não: “O casamento vivido pela glória de Deus”. Mas: “O casamento vivido para a glória de Deus”.
                Esta palavrinha “para” significa que existe uma ordem de prioridade. E existe uma ordem de centralidade. E a ordem é clara: Deus é central, não o casamento. Deus é a Realidade mais importante; o casamento é menos importante — muito menos importante, infinitamente menos importante.
                O casamento existe para magnificar a verdade, o valor, a beleza e a grandeza de Deus; Deus não existe para magnificar o casamento. Até que esta ordem seja vívida e valorizada — até que ela seja vista e saboreada — o casamento não será experimentado como uma revelação da glória de Deus, mas como um rival da glória de Deus.
                Eu considero meu título, “O casamento vivido para a glória de Deus,” como uma resposta para a pergunta: Por que o casamento? Por que e existe o casamento? Por que vivemos em casamentos?
                Isso significa que meu tópico é parte de uma pergunta maior: Por que todas as coisas existem? Por que você existe? Por que o sexo existe? Por que a terra, o sol, a lua e as estrelas existem? Por que os animais, as plantas, os oceanos, as montanhas, os átomos e as galáxias existem?
                A resposta para todas estas perguntas, incluindo aquela sobre o casamento é: Todas estas coisas existem para e pela glória de Deus. Ou seja, elas existem para magnificar a verdade, o valor, a beleza, e a grandeza de Deus. Não como um microscópio magnifica, mas como um telescópio magnifica.
                Microscópios magnificam fazendo coisas pequenas parecerem maiores do que são. Telescópios magnificam fazendo coisas inimaginavelmente grandes parecerem como elas de fato são. Microscópios movem a aparência do tamanho para longe da realidade. Telescópios movem a aparência do tamanho em direção à realidade.
                Quando digo que todas as coisas existem para magnificar a verdade, o valor, a beleza e a grandeza de Deus, quero dizer que todas as coisas — e o casamento em especial — existem para mover a aparência de Deus nas mentes das pessoas em direção à Realidade.
                Deus é inimaginavelmente grande, infinitamente valioso e incomparavelmente belo. “Grande é o SENHOR e mui digno de ser louvado; a sua grandeza é insondável” (Sl. 145:3, ARA). Tudo o que existe tem por objetivo magnificar esta Realidade. Deus clama através do profeta Isaías (43:6-7, ARA): “Trazei meus filhos de longe e minhas filhas, das extremidades da terra, a todos os que são chamados pelo meu nome, e os que criei para minha glória” (ênfase adicionada). Fomos criados para demonstrar a glória de Deus. Paulo conclui os primeiros onze capítulos de sua grande carta aos Romanos com a exaltação a Deus como a fonte e o fim de todas as coisas: “Porque dele, e por meio dele, e para ele são todas as coisas. A ele, pois, a glória eternamente. Amém!” (11:36, ARA, ênfase adicionada). Ele torna isso ainda mais claro em Colossenses 1:16, onde ele diz: “[Em Cristo], foram criadas todas as coisas, nos céus e sobre a terra … tudo foi criado por meio dele e para ele” (ênfase adicionada).
                E ai de nós se pensamos que “para Ele” significa “para Sua necessidade”, ou “para Seu benefício”, ou “para Seu desenvolvimento”. Paulo deixou claro como água em Atos 17:25 que Deus não é “servido por mãos humanas, como se de alguma coisa precisasse; pois ele mesmo é quem a todos dá vida, respiração e tudo mais” (ARA). Não, o termo “para Sua glória” e “para Ele” significa “para a demonstração de Sua glória”, ou “para o testemunho de Sua glória”, ou “para a magnificação de Sua glória”.
                Precisamos deixar isso entrar em nossas mentes. Houve um tempo em que havia Deus, e apenas Deus. O universo é Sua criação. Ele não é coeterno com Deus. Ele não é Deus. “No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus… Todas as coisas foram feitas por intermédio dele” (João 1:1, 3, ARA). Todas as coisas. Tudo o que não é Deus foi feito por Deus. Então houve um tempo em que havia apenas Deus.
                Portanto, Deus é a absoluta Realidade. Nós não somos. O universo não é. O casamento não é. Nós somos derivados. O universo é de importância secundária, não primária. A raça humana não é a realidade última, nem o valor último, nem o último medidor do que é bom ou o que é real ou o que é belo. Deus o é. Deus é o único e último absoluto em existência. Todo o resto vem d’Ele, através d’Ele, e para Ele.
                Este é o ponto inicial para entender o casamento. Se entendermos isso errado, tudo segue errado. E se entendemos isso certo — realmente certo, em nossas mentes e em nossos corações — então o casamento será transformado por isso. O casamento se tornará o que ele foi criado para ser — uma demonstração da verdade, do valor, da beleza e da grandeza de Deus.
                Isto leva a uma conclusão muito simples — tão simples e ainda assim tão extensa. Se queremos ver o casamento ter o lugar no mundo e na igreja que ele deve ter — ou seja, se queremos que o casamento glorifique a verdade, o valor, a beleza e a grandeza de Deus — devemos ensinar e pregar menos sobre casamento e mais sobre Deus.
                A maioria dos jovens hoje não trazem ao seu namoro e casamento uma grande visão de Deus — quem Ele é, como Ele se parece, como Ele age. No mundo quase não há visão de Deus. Ele sequer está na lista de convidados. Ele é simples e impressionantemente omitido. E na igreja a visão de Deus que os jovens casais trazem para seus relacionamentos é tão pequena ao invés de grandiosa, e tão marginal ao invés de central, e tão vaga ao invés de clara, e tão impotente ao invés de determinante, e tão desinteressante ao invés de encantadora, que quando eles se casam, o pensamento de viver o casamento para a glória de Deus é sem significado e sem conteúdo.
                O que a “glória de Deus” significa para uma jovem esposa ou um jovem marido que não dedica quase nenhum tempo para conhecer a glória de Deus, ou a glória de Jesus Cristo, Seu Filho divino…
  • a glória de Sua eternidade que faz a mente querer explodir com o infinito pensamento de que Deus nunca teve um começo, mas simplesmente sempre existiu;
  • a glória de Seu conhecimento que faz a Biblioteca do Congresso parecer uma caixa de fósforos e física quântica parecer um leitor de primeira série;
  • a glória de Sua sabedoria que nunca foi e nunca poderá ser aconselhada por homens;
  • a glória de Sua autoridade sobre os céus e a terra e o inferno, sem cuja permissão nenhum homem ou demônio poderia mover-se um centímetro;
  • a glória de Sua providência sem a qual nem um pássaro cai no chão ou um único fio de cabelo se torna branco;
  • a glória de Sua palavra que sustenta o universo e mantém todos os átomos e moléculas juntos;
  • a glória de Seu poder para andar sobre a água, limpar leprosos, curar enfermos, abrir os olhos dos cegos, fazer com que o surdo ouça, parar tempestades com uma palavra, e ressuscitar os mortos;
  • a glória de Sua pureza sem pecado, ou sem qualquer atitude má de dois segundos ou qualquer pensamento mau;
  • a glória de Sua confiabilidade que nunca quebra Sua palavra ou deixa qualquer promessa cair no chão;
  • a glória de Sua justiça que faz com que toda responsabilidade moral no universo seja punida na cruz ou no inferno;
  • a glória de Sua paciência que suporta nossa estupidez década após década;
  • a glória de Sua soberana e escrava obediência ao abraçar a dor excruciante da cruz voluntariamente;
  • a glória de Sua ira que um dia fará com que as pessoas clamem às rochas das montanhas que caiam sobre elas;
  • a glória de Sua graça que justifica o ímpio; e
  • a glória de Seu amor que morre por nós mesmo enquanto éramos pecadores.
Como as pessoas viverão suas vidas de maneira que seus casamentos demonstrem a verdade, o valor, a beleza e a grandeza desta glória, quando elas não devotam quase nenhuma energia ou tempo em conhecer e apreciar esta glória?
                Talvez você consiga ver porque ao longo dos últimos trinta anos de ministério pastoral, passei a ver a missão de minha vida e a missão de nossa igreja em alguns termos muito básicos, a saber: Eu existo — nós existimos — para disseminar uma paixão pela supremacia de Deus em todas as coisas para a alegria de todos os povos. Esta é a nossa avaliação da necessidade. Até que haja uma paixão pela supremacia e pela glória de Deus nos corações das pessoas casadas, o casamento não será vivido para a glória de Deus.
                E não haverá uma paixão pela supremacia e pela glória de Deus nos corações das pessoas casadas até que Deus Mesmo, em Suas multiformes glórias, seja conhecido. E Ele não será conhecido em Suas multiformes glórias até que pastores e mestres falem a respeito d’Ele incansável, profunda, bíblica, fiel, distintiva, perfeita, e apaixonadamente. O casamento vivido para a glória de Deus será o fruto de igrejas permeadas pela glória de Deus.
                Então eu digo novamente: se queremos que o casamento glorifique a verdade, o valor, a beleza e a grandeza de Deus, devemos ensinar e pregar menos sobre casamento e mais sobre Deus. Não que preguemos demais sobre casamento, mas que pregamos muito pouco sobre Deus. Deus simplesmente não é magnificamente central nas vidas da maior parte de nosso povo. Ele não é o sol ao redor do qual todos os planetas de nossas vidas diárias são mantidos em órbita e encontram seus lugares apropriados determinados por Deus. Ele é mais como a lua, que aumenta e diminui, e você pode passar noites sem sequer pensar sobre Ele.
                Para a maior parte de nosso povo, Deus é marginal e centenas de boas coisas usurpam Seu lugar. Pensar que seus casamentos poderiam ser vividos para Sua glória ensinando-os as dinâmicas dos relacionamentos, quando a glória de Deus é tão periférica, é como esperar que o olho humano glorifique as estrelas quando não observamos o céu noturno e nunca compramos um telescópio.
                Então conhecer a Deus, apreciar a Deus e valorizar a glória de Deus sobre todas as coisas, incluindo seu cônjuge, é a chave para viver o casamento para a glória de Deus. É verdade no casamento, como em qualquer outro relacionamento: Deus é mais glorificado em nós quando nós estamos mais satisfeitos n’Ele.
                Eis aqui a chave que destranca mil portas. Satisfação superior em Deus sobre todas as coisas terrenas, incluindo seu cônjuge, sua saúde e sua própria vida (Salmo 63:3, ARA: “tua graça é melhor que a vida”) é a fonte da grande longanimidade sem a qual os maridos não podem amar como Cristo, e as esposas não podem seguir como a noiva de Cristo, a igreja. Efésios 5:22-25 deixa claro que os maridos devem inspirar seus papeis de liderança e amor em Cristo, e as esposas inspirar seus papeis de submissão e amor na devoção da igreja por quem Ele morreu. E ambos estes atos complementares de amor — liderar e submeter-se — são insustentáveis para a glória de Deus sem uma superior satisfação em tudo o que Deus é para nós em Cristo.
                Deixe-me dizer de outra maneira. Há dois níveis nos quais a glória de Deus pode brilhar a partir de um casamento cristão: Um é o nível estrutural quando ambos os cônjuges cumprem os papeis que Deus projetou para eles — o homem como um líder como Cristo, a esposa como partidária e seguidora desta liderança. Quando estes papeis são vividos, a glória do amor e da sabedoria de Deus e em Cristo é demonstrada para o mundo.
                Mas há outro nível mais profundo e fundamental onde a glória de Deus deve brilhar se estes papeis devem ser sustentados como Deus os projetou. O poder e o impulso para persistir na tarefa da renúncia pessoal e morte diária, mensal e anual que será necessária para amar uma esposa imperfeita e respeitar um marido imperfeito virá de uma satisfação em Deus que dá esperança e sustém a alma. Eu não acho que o amor por nossas esposas ou o amor delas por nós irá glorificar a Deus até que ele flua de um coração que se deleita em Deus mais do que no casamento.
                O casamento será preservado para a glória de Deus e moldado para a glória de Deus quando a glória de Deus for mais preciosa para nós do que o casamento. Quando podemos dizer com o apóstolo Paulo (em Filipenses 3:8), “considero tudo como perda, por causa da sublimidade do conhecimento de Cristo Jesus, meu Senhor” (ARA) — quando podemos dizer isso sobre o casamento — sobre nosso marido ou nossa esposa — então esse casamento será vivido para a glória de Deus.
                Fecho tentando dizer isto de mais uma maneira, a saber, com um poema que escrevi para meu filho no dia de seu casamento.
Ame-a Mais e Ame-a Menos
Para Karsten Luke Piper
Por Ocasião de Seu Casamento com
Rochelle Ann Orvis
29 de Maio de 1995
O Deus que amamos, e em
Quem temos vivido, e quem tem sido
Nossa Rocha nestes vinte-e-dois bons anos
Contigo, agora nos propõe, com doces lágrimas,
Deixá-lo ir: “Deixará o homem
Seu pai e sua mãe, apegar-se-á
Então à sua mulher, e será
Uma livre e desembaraçada carne.”
Esta é a palavra de Deus hoje,
E estamos contentes em obedecer.
Pois Deus lhe deu uma noiva
Que responde a cada oração que clamamos
Por mais de vinte anos, nosso clamor
Por ti, antes que soubéssemos o nome dela.
Agora pedes que eu escreva
Um poema — algo arriscado, à luz
Do que tu sabes: que estou mais para
O pregador do que para o poeta ou
O artista. Estou honrado por
Sua bravura, portanto obedeço.
Não reclamo destas doces limitações
De pares de rima e linhas metradas.
São velhos amigos. Eles gostam quando
Lhes peço que me ajudem mais uma vez
A dar forma aos sentimentos
E mantê-los duráveis e calorosos.
Então nos encontramos recentemente,
E fizemos um dilúvio de amor e louvor
E conselho do coração de um pai
Fluir das orlas da arte.
Eis aqui uma porção da corrente,
Filho meu: um sermão poema. Seu tema:
Uma dupla regra do amor que choca;
Uma doutrina em um paradoxo:
Se agora queres abençoar tua esposa,
Então ame-a mais e ame-a menos.
Se nos anos porvir, por alguma
Estranha providência de Deus, você venha
A ter as riquezas deste século,
E, sem dor, caminhar a passos largos
Ao lado de sua esposa, certifique-se com sua vida
De amá-la, ame-a mais do que a riqueza.
E se tua vida está entrelaçada em
Uma centena de amizades, e teceres
Um tecido de festa a partir de todos
Os doces afetos, grandes e pequenos,
Certifique-se, não importando o quanto rasgue,
De amá-la, ame-a mais do que os amigos.
E se chegar um ponto quando você
Estiver cansado, e a misericórdia sussurrar: “Faça
Um favor a si mesmo. Venha, seja livre;
Abrace os confortos aqui comigo.”
Saiba disto! Sua esposa vale mais do que estas coisas.
Então ame-a, ame-a mais do que a tranquilidade.
E quando teu leito nupcial é puro,
E não há o mais leve encanto
De luxúria por ninguém que não seja tua esposa,
E tudo é êxtase na vida,
Um segredo tudo isso protege:
Vá amá-la, ame-a mais que o sexo.
E se teu gosto se tornar refinado,
E fores movido pelo que a mente
Do homem pode criar, e fascinado por
Sua destreza, lembre-se que o “por que”
De toda esta obra está no coração;
Então ame-a, ame-a mais do que a arte.
E se tua for algum dia
A destreza que todos os críticos concordam
Ser digna de grande estima,
E as vendas excedam seus sonhos mais loucos,
Cuidado com os perigos de um nome.
E ame-a, ame-a mais do que a fama.
E se, para tua surpresa, não minha,
Deus lhe chamar por algum estranho desígnio
Para arriscar tua vida por alguma grande causa,
Não deixe com que o medo nem o amor lhe pare,
E quando enfrentares o portão da morte,
Então ame-a, ame-a mais que o fôlego.
Sim, ame-a, ame-a, mais que a vida;
Ah, ame a mulher chamada de tua esposa.
Vá amá-la com o melhor que tendes na terra.
Mas além disto, não se aventure. Mas, para que
Teu amor não se torne a ilusão de um tolo,
Certifique-se de amá-la menos do que a Deus.
Não é sábio ou gentil chamar
Um ídolo por doces nomes, e cair,
Como em humildade, diante
Em igualdade com teu Deus. Adore
Acima de sua mais amada na terra
O único Deus que concede a ela valor.
E ela saberá em segundo lugar
Que teu grande amor também é graça
E que teus grandes afetos agora
Estão fluindo livremente de um voto
Firmado nestas promessas, feito primeiro
A ti por Deus. Nem desaparecerão
Por serem enraizados junto às correntes
Da Alegria Celestial, que tu estimas
E amas mais do que o fôlego e a vida,
Que possas dar isto à sua esposa.
O maior presente que dás a tua esposa
É amar a Deus acima da vida dela.
E então, lhe convido a santificar:
Ame-a mais amando-a menos.


Fonte: Voltemos ao evangelho



Epístola de judas Caracteristicas dos falsos profetas

blog cristãoEsta pregação é a continuação do que falamos na postagem passada, onde eu tinha pregado sobre lutar contra os falsos profetas. Apesar de que hoje é quase proibido falar contra e condenar os erros destes falsos homens, o argumento de Judas é que nós devemos lutar pela fé ao pregar a verdade no mesmo tempo em que revelamos a mentira. Mas se na semana passada eu disse que temos que lutar contra os falsos, esta semana quero pregar acerca das caracteristicas dos falsos profetas e falsos pastores.
1-Seu ministério está baseado em sonhos e não na palavra
     v.8 Sonhadores alucinados. Vivem a dizer que tiveram sonhos, visões e profecias. Produzem profecias assim como o Mc Donalds produz lanche; “fast food”. É só você chegar que eles tem uma profecia prontinha para você. Fazem isto para criar no povo uma dependência. Porem a bíblia diz acerca destes:“Porém o profeta que presumir de falar alguma palavra em meu nome, que eu lhe não mandei falar, ou o que falar em nome de outros deuses, esse profeta será morto”. (Dt 18:20)
     Paulo foi talvez o maior homem de Deus do Novo testamento e que teve um ministério que durou anos, no entanto comparado com o que ele foi a bíblia narra poucas vezes Paulo tendo visões. Mas não é engraçado que estes pastorezinhos de hoje tem visão a toda hora? Eu acredito em profetas e em visões, mas grande parte destes que a gente vê por aí não são profetas inspirados e sim sonhadores alucinados, porque quem viu anjo de verdade, foi arrebatado ao paraíso, não fala muito, visto que não dá para falar: “Conheço um homem em Cristo que, há catorze anos, foi arrebatado até ao terceiro céu (se no corpo ou fora do corpo, não sei, Deus o sabe) e sei que o tal homem (se no corpo ou fora do corpo, não sei, Deus o sabe) foi arrebatado ao paraíso e ouviu palavras inefáveis, as quais não é lícito ao homem referir” (II Co 12:2-4). E no verso 6 ele diz mais: “Pois, se eu vier a gloriar-me, não serei néscio, porque direi a verdade; mas abstenho-me para que ninguém se preocupe comigo mais do que em mim vê ou de mim ouve”. O que o apóstolo está dizendo é: “O que eu vi é verdade, mas não fico contando, para que ninguém pense que eu sou super”. Com falsos pastores e profetas é o contrário: “O que eu disse que vi é mentira, mas eu conto para me engrandecer”.
     O ministério de Paulo, apesar de ele crer em visões, não era baseado nelas e sim na revelação da palavra: “Mas, ainda que nós ou mesmo um anjo vindo do céu vos pregue evangelho que vá além do que vos temos pregado, seja anátema” (Gl 1:8). Paulo está dizendo que se vier um anjo ou até ele mesmo e pregar algo contrario ao evangelho seja anátema, que significa amaldiçoado. Mas infelizmente, hoje, as pessoas confiam mais num pastor e num anjo do que na palavra.
2-São ignorantes metidos a sábios 
     v.10 “Estes, porém, quanto a tudo o que não entendem, difamam; e, quanto a tudo o que compreendem por instinto natural, como brutos sem razão, até nessas coisas se corrompem”.
     Falam mal do que não sabem, porque o único conhecimento que eles tem é o do instinto, de modo que eles e os animais não estão muito longe. Desta forma, eles se parecem muito com os fariseus que por se acharem sabichões criticavam a Jesus. Faziam isto em nome do seu “conhecimento”, mas Jesus diz: “Não, vocês estão me criticando, em nome do instinto, o instinto de defesa, pois estão com medo de perder o posto”(Jo 11:48).
     I Tm 1:7 “pretendendo passar por mestres da lei, não compreendendo, todavia, nem o que dizem, nem os assuntos sobre os quais fazem ousadas asseverações”. Estes aqui são aqueles que falam demais, mas não tem nada a dizer. São aqueles que dão gritos e gostam de uma frase de efeito, parecem ousados, mas na realidade são ignorantes.Tem igreja que não importa o que se diga, contanto que se diga com força, com vibração pode falar até em nome do diabo que o povo responde com um “glória a Deus”.
Ilustrações dos dissimuladores v.12-16
1-Rochas submersas
     v.12 “Estes homens são como rochas submersas, em vossas festas de fraternidade, banqueteando-se juntos sem qualquer recato, pastores que a si mesmos se apascentam”.
     As rochas submersas são aquelas que ficam encobertas, mas quando mal esperamos a gente bate nelas e afunda. Assim são estes pastores, especialistas em fazer as ovelhas naufragarem na fé.
     Mas enquanto eles fazemos outros descerem, eles estão subindo, porque são pastores que a si mesmos se apascentam. Os membros estão ficando mais pobres, enquanto que eles mais ricos. Estes dias ouvi dizer que um pastor falou para irmã dar o dinheiro da passagem e ir embora pela fé.
     Poucos são vigaristas neste extremo, no entanto, mesmo sem perceber, muitos líderes estão mais preocupados com a projeção do seu ministério do que com a saúde de suas ovelhas. Eu já li centenas de livros de liderança, inclusive evangélicos. Os títulos são sempre assim: “7 leis para o sucesso”, “Maneiras de ter um ministério grande” e por aí vai. Mas até hoje não vi nenhum com o titulo: “Como ajudar verdadeiramente as pessoas”.
     Existe um livro que vendeu milhões, chamado: “Como fazer amigos e influenciar pessoas”. Se Jesus tivesse escrito um livro de liderança o titulo seria: “Como ser um amigo e fazer o bem aos outros”. Os primeiro livro ensina técnicas para que as pessoas gostem de mim, e no final eu possa usar isto a meu favor, por isto tem tudo a ver com os falsos profetas descrito por Judas: “são aduladores dos outros, por motivos interesseiros” (v 16). O livro de Jesus nos ensina a amar as pessoas, para que no final Deus possa usar isto em favor dos outros.
2-Nuvens sem água 
     v.12 “nuvens sem água impelidas pelos ventos”.
Tem a nuvem, mas não trazem consigo a chuva. Prometem isto e aquilo, dão o anuncio de que algo vai acontecer, mas na hora do vamos ver…. nada. Chegam cheio de promessas e de bênçãos. O povo se enche de esperança, mas apesar da ventania, do barulho, das trovoadas, a chuva não vem.
     Fazem promessas que não podem honrar, dizendo em nome de Jesus o que Jesus nunca disse. Garantem que se você crer, toda sua família será salva. Apesar de Paulo ter dito isto e isto ser verdade acerca do carcereiro de Filipo não quer dizer que é verdade acerca de todos pois veja o que cristo disse: “Não penseis que vim trazer paz à terra; não vim trazer paz, mas espada. Pois vim causar divisão entre o homem e seu pai; entre a filha e sua mãe e entre a nora e sua sogra. Assim, os inimigos do homem serão os da sua própria casa” (Mt 10:34-36).
     Garantem que se você crer nunca perderá emprego, nunca ficará doente e alguns ainda dizem que é dever do crente ser rico. Se esquecem que Jó mesmo sendo fiel perdeu tudo. Se esquecem que Timóteo mesmo fiel ficou doente. Se esquecem que os apóstolos morreram pobres e nem por isto eram infiéis. Se esquecem de ler: “Tendo sustento e com que nos vestir, estejamos contentes” (I Tm 6:8). Deus pode sim nos dar dinheiro e salvar nossa família. Mas isto não é promessa e sim uma possibilidade.
     Mas estes pastores fazem isto porque são impelidos pelo vento. Eles iludem porque eles mesmos são iludidos, são cegos guiando cegos, visto que em vez de ser conduzidos por Cristo, estão sendo empurrados por algo vazio de qualquer nova moda que aprenderam por aí.
3-Arvores sem frutos
     v.12 “Árvores em plena estação dos frutos, destes desprovidas, duplamente mortas, desarraigadas”.
     Duplamente mortos, porque antes eram ímpios, mas agora acham que são de Deus. E para Deus um ímpio, que sabe que é ímpio é menos mortal do que um ímpio que pensa que é crente (Mt 23:15).
     Mt 7:15 “Acautelai-vos dos falsos profetas, que se vos apresentam disfarçados em ovelhas, mas por dentro são lobos roubadores. Pelos seus frutos os conhecereis. Colhem-se, porventura, uvas dos espinheiros ou figos dos abrolhos?”. Que frutos? Não é fruto de milagre porque Jesus diz: “surgirão falsos cristos e falsos profetas operando grandes sinais e prodígios para enganar, se possível, os próprios eleitos”(Mt 24:24). Então é fruto do que? Fruto de caráter descrito em Gl 5:22 e em I Tm 3:2-6 “É necessário, portanto, que o bispo seja irrepreensível, esposo de uma só mulher, temperante, sóbrio, modesto, hospitaleiro, apto para ensinar; não dado ao vinho, não violento, porém cordato, inimigo de contendas, não avarento; e que governe bem a própria casa, criando os filhos sob disciplina, com todo o respeito (pois, se alguém não sabe governar a própria casa, como cuidará da igreja de Deus?); não seja neófito, para não suceder que se ensoberbeça e incorra na condenação do diabo.
4-Ondas de ressaca
     v.13 “Ondas bravias do mar, que espumam as suas próprias sujidades”. Eu morei em Ubatuba, cidade litorânea do interior do São Paulo. É engraçado, mas em tempos normais a praia parecia que estava limpa, mas quando dava ressaca, o mar através das ondas trazia toda sujeira que estava oculta. É assim que Judas descreve estes falsos pastores. Gente que mais cedo ou mais tarde, mas trazer a tona as suas sujeiras.
5-Estrelas errantes 
     v.13”Estrelas errantes, para as quais tem sido guardada a negridão das trevas, para sempre”.
     Falso pastor é isto; estrela, pop-estar da fé. Se esquecem que os verdadeiros homens e profetas de Deus são aqueles que tem a consciência de que para Cristo crescer eu tenho que me diminuir. Mas o brilho destes que se chamam estrelas é cadente. Aparece, porem logo acaba.
     Estrelas errantes. Sem rumo. Não são astros que tem um trajeto existencial, mas sim estrelas que vagam sem destino. Sendo assim, o único destino certo deles é o inferno. E se eles estão sem rumo, como podem conduzir o rebanho?
Como agir diante disto? v.17-25
1-Ter consciência de que estamos nos últimos dias
v.17-19

Mt 24:11
2-Edificar na fé v.20
3-Orar v.20
4-Guardar no amor e a na esperança v.21
     Nos últimos dias os dias serão maus (Ef 5.16), como se conservar?
Tendo fé no amor de Deus por nós (Rm 8:37-38)
     Dando amor: Aos iludidos v.22 e Aos que iludem v.23
Compaixão com temor
Contaminação da roupa= contaminação do pecado.
Lv 13:47-49

lmd_source=”25406387″; lmd_si=”33684064″; lmd_pu=”22603089″; lmd_c=”BR”; lmd_wi=”728″; lmd_he=”90″;

Epístola de judas: Lutando contra os falsos profetas

pastores lobos
O tema da epístola de judas é: A Luta da igreja contra os falsos profetas que se infiltram. Isto está expresso nos versos 3 e 4. Judas diz que escreveu esta epístola com o objetivo de exortar o povo a pelejar pela fé, visto que havia muitos dissimuladores se introduzindo no meio do povo.

1-Os dissimuladores estão entre nós.
     “Certos indivíduos se introduziram com dissimulação… homens ímpios”. No verso 12 Judas vai além ao afirmar que estes homens falsos estão “em vossas festas de fraternidade”. Fraternidade aqui é ágape, palavra que significa amor e era usada para expressar o amor de Deus. Puxa, até no meio de um povo que tem amor genuíno pode haver falsos profetas.
     A história é sempre esta; o falso no meio do verdadeiro. O joio foi semeado no meio do trigo. Judas Iscariotes saiu do meio dos apóstolos. Os maiores hereges da história também foram homens que saíram do meio da igreja. Mas isto não é de se espantar, visto que os falsos profetas da igreja sempre foram mais perigosos do que os ateus do mundo. Aquele que parece que é de Deus, mas não é, é mais destruidor do que aquele se revela como inimigo declarado da igreja. Pois claro, o espírito do diabo é sempre este, ocultar suas maldades atrás de uma cara de bondade, por isso se diz que ele vem como anjo de luz. E qual a melhor maneira de assim fazê-lo, senão ao se apresentar como um pastor ou líder de igreja? Mesmo porque, em apocalipse o pastor é representado como o anjo da igreja. Jesus afirmou:“nem todo o que me diz Senhor, Senhor entrará no reino dos céus”. Nem todo que vem em nome do Senhor é do Senhor.
2-Temos que lutar pela fé
     Judas estava se preparando para escrever esta carta quando se sentiu obrigado a exortar o povo a “batalhardes, diligentemente, pela fé” (v.3). Fé aqui é o conjunto de doutrina que cremos, que nos foi dado por Cristo através de seus apóstolos.
     Atualmente é quase proibido falar contra certos erros e condenar a mentira evidenciada em muitos. Por que será que esta atitude tem sido mantida durante anos?
     Primeiro: Erros passados. A igreja católica matou na fogueira muita gente que ela considerava herege, e por conta disto hoje estamos proibidos de lutar. Eles entenderam que lutar pela fé era o mesmo que matar. Então, já que eles pelejaram de maneira errada, ninguém mais pode combater da maneira certa.
     Segundo: Política. Um bom político sabe que não é bom ter “inimigos”, visto que mais cedo ou mais tarde acabarei precisando daquele que hoje me espezinha. Sendo assim, o melhor é não ofender ninguém. Mas Jesus já disse: “ai de vós quando todos vos louvarem”. Jesus não era um troglodita, estúpido que descontava sua raiva em todos, no entanto era um profeta amoroso, mas também fervoroso que não deixava de condenar os erros. Durante todo o seu ministério ele lutou incansavelmente contra os fariseus ao condenar publicamente as obras deles. E com isto ganhou o que? Uma cruz! Veja, é por isto que muitos pastores não querem condenar o erro: auto-preservação.
     Terceiro: falsa idéia de amor. Tais pessoas vivem a dizer que condenar o erro em outros não tem haver com o espírito de Cristo. Ora, quem diz isto parece se esquecer que grande parte dos ensinos de Jesus foi na forma de: “Está vendo os fariseus? Não faça como eles”. E os muitos “aís” de Cristo foram dirigidos para este mesmo grupo. Aqui então vão apenas alguns dos termos usados por ele para se referir a estes homens: raça de víboras (Mt 23:32) caixão cheio de vermes e podridão, hipócritas (Mt 23:27).
     Paulo lutou contra os hereges de maneira muito intensa. Em Atos 15 se diz que ele teve “contenda e não pequena discussão com eles” (At 15:1). Os profetas eram os homens que desciam o porrete no povo, no entanto eram as pessoas que mais os amava, porque “leais são as feridas feitas pelo que ama, porém os beijos de quem odeia são enganosos” (Pv 27:6).
     Mas lutar não é perigoso? Sim, mas é menos perigoso do que não lutar. É possível lutar e virar um monstro ou não lutar e se tornar uma presa. Ao lutar podemos correr o risco de se perder, não lutando já estamos perdidos.
     Paulo como bom comandante chamou seu exército filipense para a guerra“lutando juntos pela fé evangélica” e “tendes o mesmo combate que vistes em mim” (Fl 1:27 e 30). Que combate é este? Político? Social? Físico? Não, é a guerra das espadas: “porque a palavra de Deus é viva, e eficaz, e mais cortante do que qualquer espada” (Hb 4:12). Não vamos empunhar a espada de metal e repetir o erro passado de jogar os hereges na fogueira, mas por outro lado, tiremos a espada da palavra da bainha e vençamos o mal com o bem, com o bem da verdade.
Como são os dissimuladores?
1-Transformam a graça em provisão para pecar
     “Transformam em libertinagem a graça de nosso Deus”. v.4
Como fazem isto? Dizendo que não há mais juízo. Adão estava pensando em pecar, mas tinha temor da conseqüência. Então a serpente lhe disse: “Deus disse que vocês morreriam se comessem da arvore? Ora, é claro que isto não vai acontecer, Deus é bom”.
     Aí então Judas dá alguns exemplos para mostrar que aqueles que não se arrependerem dos seus pecados serão julgados.
     O primeiro é o exemplo dos egípcios no verso 5. “tendo libertado um povo, tirando-o da terra do Egito, destruiu, depois, os que não creram”
     O segundo exemplo é dos anjos: “a anjos, os que não guardaram o seu estado original, mas abandonaram o seu próprio domicílio, ele tem guardado sob trevas, em algemas eternas, para o juízo do grande Dia” (v.6).
     O terceiro exemplo é de Sodoma e Gomorra, povo que foi julgado com fogo e enxofre.
     O que ele está dizendo com isto é: “Se os egípcios, os sodomitas e até mesmo os anjos não foram poupadas por conta de seus pecados, porque você acha que estaria livre? Olhe para o passado e veja: Deus julgou o pecado. E como ele não muda, ele continuará julgando”.
     Muitos pastores de hoje também tem transformado a graça em provisão para pecar. São tolerantes com casais amaziados, com roupa indecente, permitem que as pessoas liderem ou tenham alguma função na igreja mesmo sem dar dizimo.
     Eles levam o povo a sentir que só porque ele é crente, não há mais problema, é só pedir perdão que tudo ficará bem. Mas isto é engano, pois a lama não é mais limpa só porque está na pele de uma ovelha: “Tribulação e angústia virão sobre a alma de qualquer homem que faz o mal, ao judeu primeiro e também ao grego” (Rm 2:9). Quantas vezes você pedir perdão, o Senhor te perdoará, mas isto não significa que não sofrerá conseqüência. Davi adulterou e foi perdoado, no entanto, o juízo de Deus vem quando ao permitir que a família dele fosse quase destruída. “SENHOR, SENHOR Deus compassivo, clemente e longânimo e grande em misericórdia e fidelidade; que guarda a misericórdia em mil gerações, que perdoa a iniqüidade, a transgressão e o pecado, ainda que não inocenta o culpado” (Ex 34:6-7).
Muitos tem a idéia de que no Antigo Testamento Deus é um, no Novo ele é outro. No passado era irado, mas agora se converteu num avó bonachão que está sempre ali para tapar nossas besteiras. Tg 1:17 diz que o Senhor não muda. Deus não deixou de punir o pecado na graça. Em qual lugar do Antigo Testamento alguém foi morto como Ananias e Safira, que simplesmente por mentir foram fulminados? Deus é aquele que dá mil e uma chances aos arrependidos, mas condena o impenitente.
     Outra maneira que estes pastores se tornam indulgentes para o pecado é deixando de pregar a mensagem do inferno. Eles não fazem mais como Jesus, João batista e tantos outros que chamava o povo ao arrependimento. Jonhatas Edwards pregou uma mensagem que tinha o titulo: “pecadores nas mãos de um Deus irado”, e ali se iniciou um grande mover nos EUA. O evangelho não começa com o amor de Deus, e sim com a ira. Veja o livro de romanos, pois ali está a base do que é o evangelho. Paulo não dá inicio a sua mensagem dizendo que Deus nos ama e sim que: “a ira de Deus se revela do céu contra toda impiedade”. Antes de conhecer o amor de Deus é necessário conhecer a sua ira.
     Dê uma olha no conteúdo da pregação de Paulo e na reação de Félix ao ouvi-lo: “Dissertando ele acerca da justiça, do domínio próprio e do Juízo vindouro, ficou Félix amedrontado e disse: Por agora, podes retirar-te, e, quando eu tiver vagar, chamar-te-ei” (At 25:25). Félix ficou amedrontado porque Paulo falou do juízo vindouro: “Se você não se arrepender vai para o inferno”. Na história da igreja, as épocas onde mais pessoas foram para o céu, foram aquelas onde mais se pregou sobre o inferno. Judas completa este assunto assim: “Eis que veio o Senhor entre suas santas miríades,para exercer juízo contra todos e para fazer convictos todos os ímpios, acerca de todas as obras ímpias que impiamente praticaram e acerca de todas as palavras insolentes que ímpios pecadores proferiram contra ele”.

lmd_source=”25406360″; lmd_si=”33684064″; lmd_pu=”22603089″; lmd_c=”BR”; lmd_wi=”468″; lmd_he=”60″;

Pastor Joio ou Trigo

lendo a bíblia

MT 13:24-25 “Outra parábola lhes propôs, dizendo: O reino dos céus é semelhante a um homem que semeou boa semente no seu campo; mas, enquanto os homens dormiam, veio o inimigo dele, semeou o joio no meio do trigo e retirou-se”.

Jesus já disse que nos últimos tempos, viriam muitos em seu nome e enganariam a muitos. Ora, a melhor maneira do falso enganar é se parecendo com o verdadeiro. Daí então Cristo usar a parábola do joio no meio do trigo para exemplificar os falsos profetas. A similaridade é tão grande que a Wikipédia, enciclopédia virtual, define a relação dos dois da seguinte maneira: “A semelhança entre essas duas plantas é tão grande, que em algumas regiões costuma-se denominar o joio como ‘falso trigo’ ”. 

Assim como o diabo semeou o joio no meio do trigo, ele continua a plantar falsos profetas no meio da igreja. Judas saiu da onde? Do meio dos apóstolos. Os hereges da história da igreja sempre saíram de dentro da igreja e Pedro afirmou que: “assim como, no meio do povo, surgiram falsos profetas, assim também haverá entre vós falsos mestres”. (II Pd 2:1). Veja, o joio está sempre no meio do povo.
Assim como o diabo citou a bíblia para tentar enganar Jesus, muitos pastores citam a bíblia para pregar heresias. Estão no meio da gente, lêem a mesma bíblia que nós e olhando por talvez digamos: “É trigo!”, mas não, é “falso trigo”. Não se engane, o lobo vem sempre vestido como ovelha. O diabo sempre se apresenta como anjo de luz. E o joio é idêntico ao trigo, mas ainda assim não tem nada a ver com o trigo.
Como identificar um pastor joio para um pastor trigo? Um homem de Deus para um falso profeta?

1-Joio faz de tudo para estar por cima. O trigo sempre se dobra

Jesus disse que somente na hora da colheita, ou seja, que estavam maduros e crescidos é que poderíamos identificar o joio do trigo. Isto é verdadeiro por que você sabia que conforme o joio cresce para cima enquanto que o trigo cresce para baixo? Ou seja, o joio vai ficando em pé quanto cresce, enquanto que o trigo vai se dobrando conforme amadurece.
E se na natureza é assim, quanto mais na igreja. A uns dez anos surgiu no meio uma banda evangélica que se tornou um frisom. Arrastavam multidões no Brasil e exterior e levavam as pessoas ao delírio com testemunhos recheados de visões, anjos e uma infinidade de outras coisas miraculosas. Eu mesmo estivesse em algumas de suas reuniões e me lembro de um dos lideres contando que estava ouvindo o som do anjo. Diante disso, muitas e muitas pessoas começavam a rolar no chão, chorar, gritar e por aí vai. No entanto, nesta mês o líder do grupo veio a publico e declarou: “Eu menti. Grande parte dos testemunhos não eram verdadeiros”.
Por que alguém faz algo como isto? É que o joio faz qualquer coisa para estar por cima. Para ganhar o mundo ele vende até a alma até vender a alma. Talvez este rapaz até seja trigo, mas estava agindo como joio.
E isto é apenas um exemplo, mas há pastores que abrem mão de seus valores, que comercializam a fé e muitas outras atitudes desesperadas de encher a igreja custe o que custar. Para se sentir um vencedor vale tudo, até dar o que o povo quer, mas que a gente sabe que não é o evangelho. Olha o que o povo disse para o profeta Isaias: “Não tenhas visões; e aos profetas: não profetizeis para nós o que é reto; dizei-nos coisas aprazíveis, profetizai-nos ilusões”. (Is 30:10).
Sabe por que o povo gosta do pirata? É parecido, só que é mais barato.

Joio fala de si. Homem de Deus fala de Cristo
Esta e outra maneira para o joio se engrandecer. E ta aí a prova de que ele é falso, pois Cristo afirmou: Se eu testifico a respeito de mim mesmo, o meu testemunho não é verdadeiro” (Jo5:21).
Quando perguntaram a João Batista se ele era Elias que estava para vir, ele apenas disse: “Eu não sou Elias, Ezequiel, eu não sou nada, sou apenas uma voz.” (Jo 1:23). Mas Jesus, todavia, afirmou sim que ele era Elias que estava para vir (Mt 17:12-13). Quem é de Deus de verdade, sabe que convém que Cristo cresça e que nós diminuamos.
E aqui não estou pregando falsa humildade, daqueles que vivem dizendo com a boca: “Eu não sou nada”, ao mesmo tempo em que sentem no coração: “Eu sou o máximo”. O arrogante só fala de si. O falso humilde diz que ele não é nada. O humilde de verdade não diz nada sobre si. Em seu evangelho Mateus menciona seu nome apenas duas vezes. Nas duas se dizendo como coletor de impostos. João nem mesmo menciona seu nome, apenas se declara como “o outro discípulo” ou o “discípulo a quem Jesus amava”. Lucas escreveu dos livros, mas nenhuma vez o seu nome.
Por que tais homens gostam de falar de si? Para criar dependência, levando o povo a crer que eles só terão a benção caso o pastor.poderoso ore por elas.
Sempre que a motivação for egoísta, vai surgir joio. Onde houver um líder que deseja usar o trigo para se auto-promover, usar a conversão de almas para lhe trazer fama, vai haver praga.

2-Joio faz o bem a si. Trigo faz o bem ao próximo

Como todas as pragas, o joio não serve pra nada, só existe para sugar energia do trigo. O trigo por sua vez vira farinha que serve se alimento para muitos.
O joio só deseja crescer nas costas do trigo. Assim como muitos pastores que só querem usar as ovelhas para sua sede de conquista pessoal. São como Judas disse, “pastores que a a si mesmos se apascentam” (Jd 1:12). Jesus morreu pelo povo, mas os lideres atuais querem que o povo morra por eles.

3- Joio existe para ser servido. Trigo existe para servir. 

Isto é uma outra maneira de expressar o que já falei no segundo principio, pois em Jo 12:24 Jesus diz que ele é o trigo que caiu na terra para morrer e dar vida a muitos, totalmente diferente do pastor joio. Se o bom pastor dá a vida pelas ovelhas, o mau toma.
Jesus olha para os discipulos e diz: Eu vos farei pescadores de homens. Os pastores joio olham para o povo e dizem: Vocês farão de mim um sucesso.
Jesus olha para o povo e israel e clama: “Como eu quis ajuntar vocês como a galinha ajunta os seus pintinhos para protegê-los”.
Os pastores-joio: “Como eu quero ajuntar vocês, pois darão uma bela sopa de frango”.

4-Joio é veneno. Trigo é alimento

Mt 12:30 “Quem não é por mim é contra mim; e quem comigo não ajunta espalha”.
Não existe nada neutro no mundo espiritual; ou abençoa ou amaldiçoa. Você não pode comer a comida oferecida pelos pastores-joio sem passar mal, porque joio é uma erva-daninha, uma praga que colhida junto com o trigo pode fazer perder toda a colheita.
Em I Co 10:20 Paulo não queria que os coríntios comessem comida sacrificada aos deus, porque na realidade era comida de demônios. E ao se alimentar com demônio, é claro que iremos ter uma congestão. Você já reparou como são problemáticas e doentes as pessoas que andam com pastores-joio?

Autor: Pastor Rodrigo David
Edição: Heverton de Oliveira



lmd_source=”25406279″; lmd_si=”33684064″; lmd_pu=”22603089″; lmd_c=”BR”; lmd_wi=”468″; lmd_he=”60″;