Benção sem ser abençoado

Ex 33:1-4
Para entendermos o que acontece em Ex 33, é fundamental que tenhamos em mente Ex 32. Em Ex 33 Deus diz que vai enviar o anjo, mas que Ele mesmo não irá com o povo de Israel. Por que? Porque em Ex 32 Israel havia criado e adorado o Bezerro de Ouro. Este pecado tem algumas características marcantes:
A primeira foi que ao fabricar o bezerro eles disseram: “Festa ao Senhor”, e assim pronunciaram o verdadeiro e sagrado nome Deus. Eles adoravam um ídolo, mas diziam que estavam adorando a Deus. Assim como muitas pessoas que inventam um Jesus da cabeça deles e dizem: “Este é o Jesus que nos libertou!”. Mas de Jesus só tem o nome.




Em segundo lugar a bíblia diz que o povo fez o bezerro e sentou-se para divertir-se. O culto deles não era mais algo sagrado para honrar ao Senhor, e sim, um momento gostoso para agradar aos homens. Certa vez um pastor me disse: “Por que você não começa o culto na sua igreja com uma apresentação de teatro ao invés de com oração? Pois assim as pessoas se sentem mais relaxadas”. É isto que virou a religião cristã, apenas um lugar para as pessoas se sentirem bem, já que esta história de tomar a cruz, negar a si mesmo é coisa da idade média, dizem eles.
A terceira característica é a falsa aparência. Moisés desceu do monte e foi com Josué até o meio daqueles pecadores ao ouvir da boca de Deus que Israel estava pecando. Ainda longe, Josué ouviu os gritos do povo que vinham do arraial e disse: “Estou escutando gritos de guerra”. Moisés por sua vez respondeu: “Não, isto não é som de pessoas que estão buscando conquistar algo em Deus é apenas barulho de quem faz barulho”. Há muita igreja que quando avistada de longe e por pessoas imaturas espiritualmente parece ser obra de Deus, mas quando chegamos mais perto e colocamos o dedo, o negócio começa a murchar.
Algo que nos marca em toda esta história é ver a diferença entre Moisés e o povo. O nome era o mesmo, mas o Deus que cada um deles servia era outro. Tanto que Moisés adorava ao Senhor na Tenda da Congregação, que era uma espécie de Lugar da Intimidade. Existia o tabernáculo, mas Moisés adorava na tenda. A igreja, a religião, o culto dele era outro.
Ex 33 nos ensina também, que há uma diferença entre o poder de Deus e a Presença de Deus. O anjo que daria vitória iria, mas a Presença de Deus não. Por estas e outras que a igreja atual se parece mais com a Igreja do Anjo, e não com a Igreja de Deus. Tem até poder, mas não possui a presença de Deus, o candelabro foi removido. Constantemente a gente ouve alguém dizendo: “Eu vi um anjo!”. Mas quando podemos escutar uma pessoa afirmando: “Eu vi a Deus”?
A grande lição deste evento são duas:

1-É possível ter benção e ao mesmo tempo não ser abençoado
O que geralmente se aprende é que abençoado é aquele que tem benção. O raciocino é lógico: “Se Deus é o dono da benção, quem a tem é porque O tem, não é!? Nem sempre. No caso de Israel por exemplo, Deus só estaria manifestando seu poder entre eles porque primeiro, tinha feito uma aliança com Abraão (Ex 33:1) e segundo queria efetuar juízo contra os cananeus. “Olha, vocês estão entrando em Canaã, mas isto não tem nada a ver com vocês, sendo assim estão colhendo os frutos da fé de Abraão. E também porque tem um povinho que é pior do que vocês, e hoje é dia de efetuar juízo contra eles, mas amanhã chegará a vez de vocês” (Ex 32:34).
Jó perdeu as bênçãos como filhos, saúde e dinheiro, no entanto nunca deixou de ser abençoado, porque Deus estava com ele. No entanto, o povo de Israel teria o anjo dando vitória, sucesso, levando-os a uma terra que manava leite e mel, porém a presença Deus ficaria ali, no deserto.
Quando Deus deu esta notícia, o povo chorou. Mas o que me faz chorar hoje, é que isto é dito, porém o povo não tem chorado. Deus diz: “Vou de dar casa na praia, dinheiro, bom ministério, cônjuge, mas eu mesmo não vou andar com você, porque senão eu vomito”. Então as pessoas respondem: “Senhor, não precisa vir com a gente e ter uma congestão a toa, manda só as bênçãos que tá bom”.
As vezes você diz: “O Senhor é o meu Deus. Mas será que Ele diz a teu respeito: “Este é o meu servo”?. Você pode dizer que Ele é o teu Deus, por ver alguns sinais e maravilhas acontecendo em sua vida, mas lembre-se que nem todo que chamá-lo de Senhor, Senhor, entrará no reino dos céus.

2-O deserto com Deus é melhor que Canaã sem Deus
Alguns dizem que o sentido da vida é chegar a algum lugar e outros afirmam o oposto; o que importa não é o destino e sim a viagem, mas importante do que conquistar alguma coisa é viver o momento. Mas a grande verdade é que o sentido da vida é Deus, porque sem Ele a viagem é chata e a Canaã que mana leite e mel torna-se um inferno que jorra fogo e enxofre.
Eu não sou contra as vitórias, sucessos e bens materiais que a Canaã daqui pode nos dar, a minha grande questão é que Cristo é a maior benção do cristianismo, sem Ele as bênçãos não são abençoadas. De que adianta leite e mel, se o Senhor não me adoça a vida? Para que serve o carro e a moto, se o Senhor não dirigir meu caminho? E qual o proveito de ter o elogio e amor dos homens, se eu não tiver o Teu? De que adianta ganhar o mundo, conquistar Canaã e perder a alma?
Moisés não aceitou conquistar as coisas com o Anjo, mas não ter a Presença, ele preferia ficar no deserto sem bênçãos, mas com Deus, do que em Canaã com bênçãos, porém sem o Senhor. Deus havia prometido que daria “descanso” ao povo de todos os seus sofrimentos no Egito, libertando-os e levando-os a uma terra que manaria leite e mel. Contudo, Moisés sabia que o verdadeiro descanso não é um lugar, e sim uma pessoa: “a minha presença irá contigo, e eu te darei descanso” (Ex 33:14).
Moisés era príncipe do Egito e assim tinha muitos prazeres, confortos e regalias. O que o fez tomar a decisão de abandonar a coroa do Egito, para escolher os opróbrios do deserto? Simples: “Eu tinha tudo, mas não possuía nada. Prefiro ficar no deserto com nada, mas tendo o Senhor que é tudo”. Foi Agostinho quem disse: “Tu nos criaste para ti mesmo oh! Deus e a nossa alma está desassossegada até encontrar repouso em ti”
Sendo assim, a pergunta é: Como faremos para atrair a presença de Deus? Para enxergar anjo basta fé, para ver Deus é necessário santidade: “Bem-aventurados os limpos de coração, porque verão a Deus” (Mt 5:8). E Em Ex 33:16 Moisés clamou pela Presença nos seguintes termos: “Pois como se há de saber que achamos graça aos teus olhos, eu e o teu povo? Não é, porventura, em andares conosco, de maneira que somos separados, eu e o teu povo, de todos os povos da terra?”. Os separados, os santos é que podem andar com O Santo. Os diferentes do mundo é que se sentirão confortáveis em seguir aquele que é o oposto de tudo que é visto nesta terra. Entretanto, se tivermos o mesmo jeito de vestir, falar e pensar deles, o máximo que conseguiremos é o poder de Deus, mas não sua gloriosa Presença.


Autor: Pr. Rodrigo David Mocellin 
Edição: Heverton de Oliveira

Fogo do Céu

   Jz 1:9-16 “Então, lhe enviou o rei um capitão de cinqüenta, com seus cinqüenta soldados, que subiram ao profeta, pois este estava assentado no cimo do monte; disse-lhe o capitão: Homem de Deus, o rei diz: Desce!”.

     Acazias, o rei de Israel, havia adoecido. Sendo assim, ele ordenou: “Vão até o profeta Elias e tragam-no a mim”. Os soldados chegaram intimando o profeta: “Desce!”. Resultado? Elias disse que se ele era homem de Deus todos eles seriam fulminados naquele instante. E assim aconteceu. Mais uma vez a cena se repetiu quando o rei enviou outros soldados e o profeta novamente não desceu para socorrer o rei, pelo contrário enviou pela segunda vez fogo do céu aos homens.



     Por que, em alguns momentos, parece que Deus demora a vir em nosso encontro? Simples, somos arrogantes. Como os soldados deram ordens para Elias, tem muita gente dando ordem para Deus. Pastores se posicionam no púlpito e ordenam: “Desce Espírito Santo! Em nome de Jesus, em nome do rei”. Como se Ele fosse o nosso cachorrinho de coleira, que nós manipulamos quando e como quisermos. Ovelhas dizem: “Eu fiz a oração. Eu fiz a campanha. Eu dei o dinheiro. Agora ele tem que me abençoar”. Outra ilustração do Espírito é o vento. E o vento é livre, pastor ou ovelha nenhuma o domestica: “O vento sopra onde quer, ouves a sua voz, mas não sabes donde vem, nem para onde vai” (João 3:8). Você não ordena que Deus desça você suplica para que ele venha até nós.
     Esta é uma das razões do nosso cristianismo ser tão pobre, falamos muito: “Eu declaro”, sendo que deveríamos dizer mais: “Eu imploro”. “Eu declaro, estou curado”. Não meu querido, você não declara que está curado, você roga pela cura. O homem de Deus pode dizer para você com ousadia: está curado. Mas você para Deus é sempre suplicando.
     Você vai a uma reunião do “Eu declaro!”, onde há muito berro, muita “ousadia” e pensa: “Que reunião poderosa”. Que nada. Se acontecer alguma manifestação divina ali será de fogo, mas de fogo de juízo. As reuniões de Jesus eram poderosas, sabe por quê? As pessoas chegavam de joelhos.
     I Pd 5:5 “Deus resiste aos soberbos, contudo, aos humildes concede a sua graça”. Quem resiste aos soberbos? O diabo? Não, Deus. Não pense na soberba apenas olhando para o marrento Romário ou para o ricaço que passa por cima de todos, visto que a arrogância não mora apenas na mansão do milionário ou na casa do homem de sucesso, mas no coração de todo ser humano.
          Como a arrogância se manifesta?

1-Ao usarmos fórmulas para trazer Deus até nós
     Achamos que se seguirmos determinadas regras Deus é obrigado a vir ao nosso encontro. Se eu chorar, se fizer a campanha, se perseverar… Deus vai descer.
     O rei disse: “Vai em meu nome, que ele vai descer”. Fazemos o mesmo com o nome de Jesus, não é? Basta dizer em nome de Jesus no final da oração que eu terei o que quiser. Esses dias um pastor ensinava como “usar” o nome de Jesus. Achei que o termo que ele mencionou expressa bem o que as pessoas tem feito com o nome de Jesus; o transformado num amuleto ou então uma simpatia de crente. Em At 19:13 algumas pessoas tentaram tratar assim com o nome de Jesus e levaram uma surra do demônio.
     Outra regra que usamos é: “Se eu for bonzinho irei impressionar Deus e ele descerá na hora”. É o fariseu que sob para orar e começa a descrever seu currículo espiritual para Deus, mas vê Deus descendo com o publicano que por se considerar pecador não exige nada de Deus, e portanto pode receber tudo.
     A maioria dos nossos sofrimentos sobrevêm pelo fato de acharmos que somos bons, e portanto merecemos alguma coisa. Certa vez chegou diante de mim um rapaz que estava todo chateado com Deus por estar desempregado e disse: “Poxa, eu não merecia isto”. Então eu lhe disse: “É verdade, você merecia o inferno”.

2-Ao ficarmos mais arrogantes diante do juízo
     Os primeiros soldados foram consumidos por dizer “Desce!”, com isso o rei enviou outros 50 soldados até Elias e sabe o que eles disseram? “Desce depressa!”. O ser – humano é assim: arrogante ao extremo. Então Deus o disciplina e o que o homem faz? Humilha-se? Não, fica mais arrogante ainda, parecendo-se com Israel: “Tu os feriste, e não lhes doeu; consumiste-os, e não quiseram receber a disciplina; endureceram o rosto mais do que uma rocha; não quiseram voltar”. (Jr 5:3).
     Certa vez ouvi um homem que estava bravo com Deus dizer: “Meu filho morreu. Não creio mais em Deus”. Se você crê que Ele e não o acaso levou seu filho, também acredita que o Senhor é Todo-Poderoso. E se crê que Deus é Todo-Poderoso não seria insolência agir assim?
     “Por que meu casamento virou cinzas?” Talvez, seja porque você não se dobrou diante do Senhor. “Mas eu me humilho diante de Deus”, dizem alguns. Quando Jesus voltar todo joelho vai se dobrar diante dele, porque veremos o Senhor como ele é em toda a sua glória. A grande questão é se prostrar hoje diante de Deus que se manifesta através de um profeta, de uma circunstancia, porque sabedoria é: “reconhece-o em todos os teus caminhos, e ele endireitará as tuas veredas” (Pv3:6).
     Jesus disse para Paulo: “dura coisa é recalcitrares contra os aguilhões” (At26:24). Recalcitrar é dar coice. Aguilhão era a ponta de ferro que ficava na vara usada para conduzir o gado. No nosso ditado popular é o famoso isto aqui significa: “dar murro em ponta de faca”. Não adiante se enfurecer diante das repreensões de Deus. E muitos fazem isto o tempo inteiro. Deus diz: “Mude suas vestimentas”. Você retruca: “Não concordo!”. Deus diz através do homem de Deus: “Está escrito” e assim nos mostra uma ordem espiritual. Você para querer fugir da ordem pega outra passagem bíblica que parece ir ao seu favor e retruca: “Também está escrito”. ,br>      O que Deus precisará fazer que você se dobre diante dele? Botar fogo na sua casa? Nos seus funcionários? No que você chama de ministério?

          O juízo só comprova que ele é Deus

     Elias disse: “Se eu sou homem de Deus, desça fogo do céu agora sobre todos vocês”. Para Elias, a prova de que ele era profeta seria o juízo vindo sobre aquelas pessoas. É engraçado que o homem usa as desgraças para dizer que Deus não existe. Mas o Senhor usa as desgraças para provar que Ele é Deus.
     Os terremotos, as mortes, a miséria só comprova um lado da glória do Altíssimo: “A sua justiça”. Ele disse que o salário do pecado é a morte. Se vivêssemos num mundo onde o pecado reina e a morte não fosse vista diariamente, Deus não seria Deus. O homem pecou contra o Criador e por isto “A ira de Deus se revela do céu contra toda impiedade e perversão dos homens” (Rm 1:18). Se os juízes deixassem um assassino de criança livres, o que diríamos acerca deles? Injustos. Por que então Deus não iria julgar o pecado da humanidade contra o único ser puro que existe, Ele mesmo?
     “E uma criança inocente que é assassinada?”, perguntam os rebeldes. Primeiro eu te pergunto: “O que você sabe sobre inocência?” Você é nascido todo em pecado e agora que discutir com Deus (Sl 51:5)?”. Não tente fazer de Deus o réu, pois ele é o juiz. As crianças mortas, as mulheres estupradas e todas as desgraças existentes são culpa do homem. O Senhor disse a Adão quando este pecou: “Maldita é a terra por tua causa” (Gn 3:17). A pergunta não é: “Por que Deus permite que crianças morram?” e sim: “Porque Deus foi tão tolerante e não fulminou com toda esta humanidade rebelde, ao invés disso permitiu que muitos deles vissem a luz e mais, que alguns deles ainda fossem para o céu?”
     No filme que conta a história do revolucionário Pancho vila, há um momento em que Pancho está pronto para matar uma senhora e é surpreendido por alguém que pergunta se ele não teme a Deus. Diante disso o líder mexicano responde: “Deus não está no México. E se está tem um coração de pedra”. Sim, Ele estava, mas não com coração de pedra e sim de Juiz. Parece que Deus não tinha descido com os primeiros soldados, mas ele desceu, em forma de fogo julgador. Não há lugar que Deus não esteja O Sl 139:o diz que até no inferno ele está. Ap 14:9-11 também confirma o fato mostrando que inferno não é ausência de Deus e sim s sua presença em forma de fogo.
     As vezes ouço alguém dizendo: “Deus é amor e também justiça”. Por um lado isto está certo, mas por outro lado está completamente errado. Não divida Deus, Deus é amor. Ponto. E a sua justiça? Vem do seu amor. O amor diz Paulo em I Co 13: “não se alegra com a injustiça”.
     Não diga mais: “Como Deus permite isto?”. Não é que ele permite, ele mesmo faz: “Vede, agora, que Eu Sou, Eu somente, e mais nenhum deus além de mim; eu mato e eu faço viver; eu firo e eu saro; e não há quem possa livrar alguém da minha mão” (Dt 32:39).
     Ira de Deus e fogo são coisas inseparáveis em toda a bíblia. Das 33 vezes que a expressão “ira do Senhor” aparece na palavra, 26 delas vem acompanhada de fogo. “Então, se acendeu a ira do SENHOR contra Moisés” (Ex 4:14). Por que você acha que quando os homens de Deus viam algo da glória do Senhor eles ficavam apavorados? João ao contemplar Jesus disse: “Quando o vi, caí a seus pés como morto” (Ap 1:17). A maioria destes homens que dizem ter visões são mentirosos. Se eles tivessem mesmo visto algo de Deus, não teriam voltado para contar, pois com o tanto de pecado que existe em nós atualmente, todos teriam morrido.
     Mas viver assim não é ruim? Não, porque o temor produz santidade. “Respondeu Moisés ao povo: Não temais; Deus veio para vos provar e para que o seu temor esteja diante de vós, a fim de que não pequeis” (Êx20:20).
     O que Elias disse no passado continua valendo no presente: “Se você acha que pode continuar com sua posição arrogante e nada lhe acontecer, então a bíblia não é a palavra de Deus”.

Quer a formula, a maneira de fazer Deus descer ao nosso encontro em paz?
          A maneira de fazer Deus descer é vc descer primeiro.

     II Cr 7:14 “se o meu povo, que se chama pelo meu nome, se humilhar, e orar, e me buscar, e se converter dos seus maus caminhos, então, eu ouvirei dos céus, perdoarei os seus pecados e sararei a sua terra”.
     II Cr 12.12 “Tendo-se ele humilhado, apartou-se dele a ira do SENHOR para que não o destruísse de todo”.
     Uma das cenas mais humilhantes da bíblia é a da mulher siro-fenícia. Ela chega diante do mestre, prostrada claro, e implora que ele liberte sua filhinha. Jesus a chama de cachorra, e diz que não iria fazer isto, pois não era certo tirar o pão dos filhos judeus e dar aos cachorrinhos gentios. Ela então fica brava e começa a dizer: “desce depressa?” Não, pelo contrário, afirma: “Bem disseste Senhor, porque tu nos criaste a tua imagem e semelhança, mas nós nos tornamos a imagem do cão. Mas se o Senhor puder me dar a sobra, a lavagem eu ficarei satisfeita”. Ela não para pra discutir: “Ei, porque eles comem fatura e eu o resto? Por que ele tem aquele salário e eu esta miséria, afinal não somos todos pecadores?”. E sabe o que acontece? Esta mulher mudou a agenda divina, de modo que mesmo Jesus tendo vindo primeiramente para os judeus, tirou esta mulher do fim da fila e a fez assentar-se com Abraão.
     Demônios você expulsa como um leão, mas Deus você atrai sendo um cachorrinho. “Porque assim diz o Alto, o Sublime, que habita a eternidade, o qual tem o nome de Santo: Habito no alto e santo lugar, mas habito também com o contrito e abatido de espírito, para vivificar o espírito dos abatidos e vivificar o coração dos contritos” (Isaías 57:15). Ele mora no céu, mas gosta de descer até a casa do quebrantado.


Autor: Pr. Rodrigo David Mocellin 

Edição: Heverton de Oliveira

Competir com mulher do photoshop é covardia

     Mt5.28 “Ouvistes que foi dito: Não adulterarás. Eu, porém, vos digo: qualquer que olhar para uma mulher com intenção impura, no coração, já adulterou com ela”.
     O mundo afirma que nossas diferenças é que são responsáveis pelos problemas de relacionamento, daí então a razão de serem escritos livros como “Homens são de marte, mulheres são de Venus” para tentar esclarecer nossas incompatibilidades e então, quem sabe, nos levar a conviver melhor. Só que isto é tolice, pois o que a bíblia declara categoricamente como grande entrave da humanidade é e sempre foi o pecado. Ora, foi ele o responsável para separar o homem de Deus e é também ele que divorcia maridos de suas mulheres, pais de seus filhos.
     

Existe uma coisa mais oposta do que um leão para uma ovelha? Só que a bíblia diz que quando Jesus vier para restabelecer seu reino milenar, eles andarão lado a lado, e mais, em paz. Esta profecia vai se cumprir cabalmente com a vinda de Cristo, porém se Jesus já veio para você, ela já se cumpriu. Sendo assim, não é descobrir as diferenças entre marcianos e venusianas o grande fator de reconciliação e sim encontrar Cristo, por que ele é o único que pode nos libertar do pecado.
     E dentre os muitos pecados existentes, um capaz de quebrar muitos anéis de casamento é o adultério. Jesus veio para desmistificar o entendimento que muitos judeus tinham da lei. Para eles, adultério era ir ao motel. Para Cristo, deixar o motel entrar em nós também é traição. Em outras palavras, o que os religiosos estavam dizendo é o seguinte: contanto que você não traga a mulher do vizinho para a sua cama, a sua mente tem liberdade para pintar e bordar, fantasiar e masturbar. Mas aí é que mora o perigo, pois pecado mesmo nas suas formas mais sutis sempre traz separação, porque “conceda ao pecado um centímetro e ele tentará conquistar um quilometro”, já dizia John Owen.
     Jesus chamou de intenção o que nós denominamos como fantasia. Esta erva daninha é extremamente venenosa porque é difícil concorrer com a pessoa perfeita que muitas pessoas idealizam em suas mentes. Sua esposa se maqueia com bluch, mas a mulher da revista se embeleza com Photoshop. Quem pode competir com isto?
     É por estas e outras que o Globo Repórter mostrou uma matéria sobre “adultério via internet” onde contaram a história de um homem e uma mulher que se conheceram e se relacionavam a mais de cinco anos pela internet, contudo, jamais terem tido um encontro pessoal. Eles haviam marcado várias vezes de se encontrar, mas “algo” sempre dava errado e eles acabavam nunca tendo a oportunidade de estarem frente a frente sem uma tela no meio. A explicação para isto é simples; eles agiam desta maneira porque temiam se conhecerem e então ver que o outro não era tudo aquilo que eles esperavam.
     Algo que contribuiu muito com este mundo de conta de fadas é Hollywood. Eles passam a idéia de um relacionamento apaixonante, banhado a aventuras e a coisas que parecem quebrar a rotina dia-a-dia, onde parece que a mulher não tem bafo de manhã, não envelhece, não cozinha e não limpa a casa. Na história de criança o sapo vira príncipe, mas na vida real o príncipe é que se transforma em sapo. Você se casa com uma pessoa maravilhosa, no entanto ao passar do tempo começa a enxergar todas as mazelas de seu companheiro. E é aqui, quando acaba a fantasia que muitos se divorciam, para então ver se conseguem entram em outra.
     Alguns dizem que o amor é cego, mas é a paixão que tem problema de visão. Quem ama sabe todos os defeitos do outro e ainda assim o suporta. Quem ama vê o outro cometendo a mesma falha durante anos e ainda assim acredita que é possível mudar. O amor tudo espera, tudo crê, tudo sofre, é real é verdadeiro e por isto mesmo é muito melhor do que a mentira.
     Mas como se ver livre deste desejo compulsivo por ilusões? Encontre Deus! A alma tem um desejo por transcender, mas o pecado transformou este desejo num anseio por fantasia. Canalize isto para Deus, pois ele é este algo maior que supre nossa carência de algo invisível, que não se pode tocar com as mãos, apenas com o coração. Ache- o amor do Senhor e então encontre amor pelo seu cônjuge.

Autor: Pr. Rodrigo David Mocellin 


Religião dos homens

Mt 15:1-20
      Minha intenção não é expor ninguém, porém como pregar um texto como este sem confrontar os fariseus de hoje? Os religiosos do passado se escandalizaram com o discurso de Jesus. Se eu pregar como Cristo é normal então que eu tenha a mesma reação por parte de muitos religiosos atuais.
      Jesus diz que os fariseus seguiam doutrinas de homens. Hoje a coisa não é diferente, há igrejas que se você não cumprir algumas normas, criadas por eles, você é réu do inferno. Não há muito problema em adulterar ou cometer homicídio, desde que use saia, não tome coca-cola, não raspe o sovaco, fale em línguas… Parecido com a história do fariseu que valorizava o que não tinha que ser valorizado. O que resume a história do texto acima é o seguinte: “Eu posso deixar minha mãe passando fome, desde que lave as mãos antes de comer”.



           Por que alguns líderes religiosos começam a instituir as suas próprias regras, que em muitos casos, acabam ficando em pé de igualdade com os mandamentos de Deus? Talvez seja pela síndrome de vice-deus. A igreja dele cresce, algumas pessoas dizem que ele é homem de Deus e pronto; o fulano começa a se achar o máximo e instituir decretos como se fosse o todo-poderoso.
      As religiões deste mundo estão fundamentadas em homens. A católica, por exemplo, adora homens. Apóstolos, freiras e todo tipo de pessoa são idolatrados. Por quê? Porque é uma religião humana. Mas a igreja evangélica, em sua maioria, não é diferente. A prova? Em algumas denominações, você pode ver em frente da igreja a foto do líder fundador da igreja. Dietrich Bonhoeffer disse: “O desejo que, com freqüência, ouvimos ser hoje expresso por “figuras episcopais”, “homens clericais”, “personalidades com autoridade” surge muito com freqüência de uma necessidade espiritualmente doentia de conquistar a admiração de homens”. Em outras palavras, o que ele está dizendo é: “Estes lideres religiosos que o tempo inteiro exigem respeito, que toda hora pedem para ser honrados, na realidade são um bando de pessoas carnais que apenas usam as pessoas para se sentirem o máximo”.
      Deixe-me dar dois princípios que fazem parte da religião dos homens

1-Religião dos homens que só se preocupa com coisas exteriores

      ISm 16:7 “O homem vê o exterior, porém o SENHOR, o coração”. Não é o que sai da boca que contamina, não é o exterior o problema da humanidade, a sujeiras que importam estão no coração disse Jesus. Mas a religião humana, só te mede pela saia que usa, pelo carro que tem…
      Não estou dizendo que, se somos crentes podemos usar qualquer tipo de roupa, assim como Jesus não era contra a higiene pessoal. O problema aqui é quando valorizamos o que é mínimo. Muitos dizem: “Você vai com qualquer roupa diante de um juiz? Então, diante de Deus também não podemos ir de qualquer jeito”. Isto é extremamente verdadeiro, também creio que devemos nos vestir da melhor maneira para cultuarmos a Deus. Agora, se eu for um bandido, mas só porque fui com uma roupa bonita, o juiz me justificará? Claro que não, é isto que Jesus está debatendo, não há nenhum problema em lavar as mãos antes de comer, só que não venhamos a pensar que coisas pequenas como estas é que nos aprovarão diante de Deus. O que não pode acontecer é acreditarmos que a benção de Deus virá sobre nós porque exteriormente estamos limpos, mesmo que nosso coração esteja apodrecendo. Quando a gente começa a achar que coisas exteriores como roupa, machadinho ungido, pedra não sei das quantas, campanha forte é que trazem benção de Deus até nós e não mais o arrependimento e a fé, há uma pitada de religião humana em nossa espiritualidade.

2-Religião dos homens se preocupa com coisas que não são importantes
“São estas as coisas que contaminam o homem; mas o comer sem lavar as mãos não o contamina” (Mt 15:20).
     Dá onde vem a idéia de que deixar de tomar coca-cola, -no caso das mulheres- ficar com o sovaco cabeludo, me aproxima mais de Deus? Como a religião humana anda preocupada com coisas irrelevantes.
     No passado alguns lideres achavam pecado ter guitarra no louvor da igreja, pois, segundo eles, era um instrumento mundano. Ora, e o piano também não é mundano? E o microfone? ou você acha que no céu é necessário amplificador? Em vez de olhar se a vida do musico era santa, se as letras da musica são bíblicas eles se preocupam com algo que não faz nenhuma diferença para Deus.
     Ainda há uma quantidade enorme de crentes que não comem certas comidas, não compram determinadas roupas, porque para eles tudo é consagrado ao diabo. Lei coríntios e veja o que Paulo falou sobre isto.(I Co 8:8, I Co 10:25). Outros ficam o tempo inteiro achando que a vida deles ta ruim, porque fizeram macumba para eles. Meu Deus, se existisse o tanto de macumbeiro que os evangélicos falam que existe, a macumba seria a maior religião do mundo. Eles não entendem que a vida deles está emperrada, não é porque alguém fez macumba para eles e, sim, porque eles tem tratado o próximo de maneira totalmente pecaminosa, é isto sim que fecha o céu diante de nós.
     Em MT 23:24 Jesus disse que os fariseus perseguiam o mosquito, mas deixavam passar o camelo. Ou seja, se importavam com coisas pequenas, enquanto se esqueciam das verdadeiramente importantes. Com os pais eles não se preocupavam, porém as mãos deles estavam sempre um brinco. A vida humana era descartada, enquanto que em relação as cerimônias e aos rituais eles eram dedicadíssimos.
     Estes fariseus, pareciam muitos zelosos com as coisas do Senhor, mas a verdade é que eles odiavam a Deus, tanto que o crucificaram. por que eles são tão dedicados com coisas tão pequenas? Para não precisar ser com as coisas importantes. Jesus diz que eles “invalidavam a palavra do Senhor”. O lema deles era: “Lavou a mão? Então pode desonrar os pais. Falou em línguas, usou a saia, foi ao culto? Então pode tratar de qualquer jeito a sua família, que não tem problema, vocês já estão limpos ritualmente”.
      Jesus é diferente, para ele, a essência da religião é fazer o bem ao ser humano. Por isto eu creio que o cristianismo de Jesus é a única religião verdadeira. As religiões estão focadas em rituais e cerimônias, e desde que você as siga, esta salvo. Com Jesus a história é outra, demonstrando que a evidencia da fé nunca esta em coisas e sim em pessoas (Sl 51:16-17).
      Não que Jesus desprezasse os rituais e o culto, mas ele entendia que o culto só tinha sentido se era para nos levar para perto de Deus e do próximo. Para o fariseu, basta cantar a musica certa, na igreja certa, mesmo com o coração errado. Para Jesus o culto acontece, no quarto, na sala, no trabalho na escola, enfim quando nós servimos o próximo.
     Em I Co 13, Paulo coloca as coisas na ordem certa de valores. Em primeiro lugar o amor, em segundo também e lá em último, os dons, as habilidades. Eu posso ser um grande pregador, um grande médico, mas no final o que vai fazer a diferença é como me relacionei com as pessoas que estavam ao meu redor (Mt 7:21-22). Por que alguém não deseja liderar célula, não freqüentar célula, não se envolver para que vidas sejam salvas do inferno? Talvez, porque o seu maior valor não seja os seres humanos. Se este é o seu caso é provável que esteja no mesmo nível dos fariseus. E porque eles não valorizavam a vida humana, Deus também não valorizava o culto deles “em vão me adoram”.


Autor: Pr. Rodrigo David Mocellin