Você foi chamado para pregar?



No século passado, certo líder, que se dizia cristã, declarou: “

Para com o homem moderno devemos ter estratégias modernas. Ao invés da proclamação devemos travar um diálogo com ele”. Tá aí o motivo da igreja evangélica em muitos lugares estar cheia de gente, mas vazia de vida. Não trovejamos a palavra do Senhor com autoridade de um homem que foi separado por Deus e sim conversamos, batemos um papinho inofensivo com os ímpios sobre Deus.

Em Rm 10:15 está escrito: “E como pregarão, se não forem enviados? Como está escrito: Quão formosos são os pés dos que anunciam coisas boas!”. Pregar aqui é kerusso e quer dizer: ser um Arauto, Proclamar como um arauto. Sabe o que é um arauto? O dicionário Aurélio define assim: “Nas monarquias da Idade Média, oficial que fazia as proclamações solenes, conferia títulos de nobreza, transmitia mensagens, anunciava a guerra e proclamava a paz”.


Um arauto não conversava, ele apenas proclamava, somente dizia o que seu rei lhe mandava dizer. Não ficava com medo, não pedia desculpas, não debatia, apenas dizia, apenas proclamava.
Você vê Jeremias, Isaias e todos os profetas dialogando com o povo? Não, não e não! Antes, diziam: “Me ouçam! Sabe por quê? Porque eu tenho uma mensagem de Deus. E se a mensagem é de Deus, não tem o que discutir”. Eles jamais declaravam: “Ei, vamos conversar!”. E sim, “Me escutem, porque assim diz o Senhor”: “Ouvi, ó céus, e dá ouvidos, ó terra, porque o SENHOR é quem fala” (IS 1:2). Eu não tenho que ouvir, vocês é que precisam me escutar.
Eu sei que nesta hora, alguém pode me dizer: “Mas ir por este caminho não é perigoso? E se eu não estiver falando da parte de Deus?”. Ora, se você tem duvida então é porque você não tem uma palavra de Deus, e sendo assim é melhor que se cale.
Na bíblia não existe este negócio de profetas, falsos profetas e profetas em treinamento. Ou você tem uma palavra do Senhor ou não tem. Ou você fala porque tem certeza que está falando da parte de Deus ou então não fala nada: “Porém o profeta que presumir de falar alguma palavra em meu nome, que eu lhe não mandei falar, ou o que falar em nome de outros deuses, esse profeta será morto” (Dt 18:20). Presumir que tem uma palavra de Deus é tão grave quanto falar em nome de outros deuses. A única pergunta que você deve fazer a si mesmo é: “Eu tenho uma palavra de Deus?”. Se tem, troveje-a!

Autor: Pr. Rodrigo David Mocellin 


Relacionamentos: Questão de coração


Tt 1:15 “Todas as coisas são puras para os puros; todavia, para os impuros e descrentes, nada é puro. Porque tanto a mente como a consciência deles estão corrompidas”. Perguntaram a altos executivos: O Que vocês mais buscam em um funcionário? A imensa maioria disse: “mais do que qualquer outra coisa, a capacidade de trabalhar com outras pessoas”. Não é fácil, mas os relacionamentos são fundamentais em nossas. Relacionamentos nos destroem ou nos constroem. A bíblia mede nosso relacionamento com Deus através dos nossos relacionamentos com os outros (I Jo 4:20). Sabe onde tudo começa? No coração. Sabe por que tem pessoas que só conseguem enxergar o mal nos outros? é porque só mal dentro delas. Pelo menos é isto que diz TT 1:15.
Jesus disse em Mt 6:22, logo após falar sobre coração que nossos olhos são a lâmpada do nosso corpo. Se os nossos olhos forem bons todo o nosso corpo também o será.


1-Um coração maldoso sempre nos leva a suposições erradas Depois de derrotar Golias, as multidões cantavam: “Saul feriu milhares, Davi porém feriu dez milhares”. Ao ouvir isto, Saul disse: “Que lhe falta senão o reino?”. Davi não queria nada, mas como Saul era inseguro ele fez uma suposição errada. E o texto continua dizendo que: “Daquele dia em diante, Saul não via a Davi com bons olhos” (I Sm 18:9).
Sabe o que é isto? Acontece quando a gente só consegue enxergar o mal nos outros, porque na realidade o mal está em nós.
Já viu uma esposa desconfiada? Se o marido atrase, estava com outra. Se ele cumprimentou uma mulher com um abraço ela já pensa maldade. As vezes é porque ele te fato deu motivo, mas em alguns casos é porque o problema está na esposa insegura. O atraso, o abraso não quer dizer nada, mas como ela é insegura supõe coisas erradas.
Jesus disse que a maldade quase nunca está fora e sim dentro de nós. Em I Co 13 Paulo diz que o amor é benigno, tudo crê. Sabe qual é o problema dos nossos relacionamentos? É que na maioria das vezes somos malignos e nunca acreditamos no melhor, só pensamos o mal dos outros porque só há maldade em nós.
Já ouviu aquela pergunta: “O que você quer dizer com isto?”. Fique com aquilo que a pessoa disse e pare de supor coisas, confie na sinceridade das pessoas. Mas e se o fulano estiver me enganando? Primeiro É preferível ser enganado por confiar nas pessoas e ter alguns amigos do que nunca ser enganado por não confiar e não ter nenhum amigo. Segundo, Jesus disse que nada há oculto que não venha a ser relevado.

2-Um coração maldoso exige sempre muito dos outros e pouco de si Em Rm 13.7 Paulo diz que devemos dar honra a quem merece honra. Porém em Pv 25:27 a bíblia diz que não devemos buscar honra para nós mesmos. Isto nos ensina que na vida tem coisas que devemos dar, mas jamais pedir. Nosso problema é que fazemos justamente o contrário; exigimos muito dos outros e pouco de nós próprios.
Sempre sabemos como os outros devem se comportar. Cobramos que os ricos sejam mais generosos, mas nunca doamos. Ou seja, somos generosos quando o dinheiro é dos outros. Sabemos como um pastor deve ser dedicado e somos implacáveis, mas nós esquecemos como uma ovelha deve agir.

3-Coração maldoso tem dificuldade em perdoar Jesus disse que devemos perdoar nossos irmãos 70×7. Os crentes de hoje gostam de formulas, não é? Então ta aí a formula dos bons relacionamentos. Só depois de falar muito sobre perdão em Mt 18 é que Deus anuncia a questão do divórcio em Mt 19. Isto porque eles muitas vezes acontecem por falta de perdão. Casamentos e relacionamentos terminam por causa das pequenas magoas que vão se acumulando durante anos

4-Coração maldoso nos leva a burrice Paulo descreve os ímpios assim: “obscurecidos de entendimento, alheios à vida de Deus por causa da ignorância em que vivem, pela dureza do seu coração” (Ef 4:18). Por que eles são ignorantes? Devido a dureza de coração. Burrice não é falta de escola, é falta de um coração quebrantado. Há milhares de pessoas com diploma, mas que são ignorantes. Deixe-me dar um exemplo: conta-se que um editor de jornal entrou furioso nos escritório procurando pela pessoa que escreveu Haltura em vez de altura. Quando um funcionário disse que o próprio editor havia cometido o erro, o chefe disse: Bem, se foi assim que eu escrevi, então esta deve ser a maneira correta. Dizem que o jornal publicou a palavra errada por 30 anos. Igorancia não é não saber escrever é não conseguir se humilhar.


Autor: Pr. Rodrigo David Mocellin 

Vai casar? Faça a filmagem de seu casamento pela Aliança Produções!
Endereço: Rua Padre Manoel Teotônio Castro – Lorena, 12600-150
Telefone: (0xx)12 8842-1925



I.G.R.E.J.A. S/A


Muitas vezes durante seus mais de dois mil anos de história a igreja se viu taxada como “mundana”. Em vez de nos separarmos do mundo fomos encontrados iguais e até piores do que ele. Contudo, não somos ímpios apenas quando adulteramos ou mentimos, mas também ao pensar e dirigir a igreja e as nossas vidas como eles. Porque a cova preparada pelo diabo para os crentes é quase sempre o buraco das idéias, já que agir é só uma conseqüência do pensar. Por esta razão Tertuliano, teólogo do século II, questionava: “O que Atenas tem a ver com Jerusalém? Que associação há entre Platão e Jesus?”. Porém, em nossa era a pergunta é outra: “O que os empresários têm a ver com os pastores?”. Sim, porque temos dirigido a igreja da mesma maneira que empresários lideram suas empresas.
E aqui nem estou me referindo ao comércio que tem sido feito nas igrejas onde só falta dizer: “compre uma e leve duas bênçãos”, mostrando assim que a fé sempre foi usada como moeda de negócio em muitas eras, desde os fariseus antigos até os evangélicos atuais, sem jamais perder o valor. O mercadores da fé podem dizer: “Isto sim é que é moeda forte!”. Que coisa nojenta! Mas há semelhanças mais sutis que podemos nutrir com as empresas.




1-Empresários tem iniciativa
Homens de Deus possuem bons ouvidos.

Um pastor não tem iniciativa e sim bons ouvidos para escutar o que Deus está iniciando. Alguém já disse que não criamos ondas, antes identificamos onde elas estão e entramos nelas. O Senhor faz a onda, a gente apenas surfa.
Muitos homens de Deus foram reprovados por adultério, preguiça, mas outros por terem iniciativa. A iniciativa de Abraão gerou Ismael e a de Arão produziu bezerro de ouro. Iniciativa então é isto, obra da carne e idolatria ao deus eu. E ainda podemos citar como exemplos Nadabe e Abiú que com a iniciativa produziram fogo estranho e Uzá que avistou morte.
Quando enfrentamos algum problema agimos como Abraão: “Preciso fazer alguma coisa, não posso ficar aqui parado esperando as coisas acontecerem”. É claro que temos que agir, no entanto a melhor maneira de fazer isto é orar e ouvir de Deus para saber qual a direção que Ele nos dará. Por isto a história de Elias começa assim: “Veio-lhe a palavra do Senhor” (I Rs17:2). Com muitos ministros a história é outra: “Veio-lhe uma idéia, veio-lhe uma oportunidade”. Conta-se que um jovem pastor se aproximou de um ministro mais velho para pedir conselhos acerca de um projeto que estava querendo implantar em sua igreja. Depois de contar minuciosamente como seria o rapaz olhou para o ancião e questionou: “O que você acha?”. O ministro retrucou: “Olha, suas propostas são boas. Penso também que o tempo é propício para esta obra. Mas a grande questão é: Deus mandou?”.
O lema dos empresários é: “Agir, agir, agir!”. O nosso é: “Orar, orar, orar!”. Jesus jamais foi passivo, porém todas as suas atividades eram começadas em Deus: “Então, lhes falou Jesus: Em verdade, em verdade vos digo que o Filho nada pode fazer de si mesmo, senão somente aquilo que vir fazer o Pai; porque tudo o que este fizer, o Filho também semelhantemente o faz” (Jo 5:19).
2-Empresários enfatizam o “eu”
Homens de Deus exaltam a Deus
.

“ Nós planejamos, nós fizemos o marketing correto, portanto a previsão é que atingiremos a meta de 50 milhões de lucro”. As vezes na igreja a estratégia muda um pouco mas o principio é o mesmo: “Nós oramos, nós visitamos, nós fizemos a nossa parte, sendo assim chegaremos a tantas células”. Meta, planejamento não constituem nenhum pecado, na verdade são princípios bíblicos seguidos a risca por Paulo, no entanto quando confiamos mais nisso do que na unção algo está errado.
O que difere um palestrante motivacional de um pregador da bíblia? Se a única diferença é o assunto, então o que fazemos não é pregação. É a unção de Deus que sela uma obra espiritual. Quando Deus disse a Moisés: A minha presença não irá convosco, o homem usado para abrir o mar vermelho respondeu: “Não vou sair daqui, pois o que nos torna diferentes dos demais povos é a tua presença” (Ex 33:16).
3-Empresários fazem o que gostam
Homens de Deus gostam do que Deus faz
.

John Maxwell conta uma pesquisa feita com 1500 pessoas para medir quem obtinha mais sucesso financeiro em suas profissões. 101 destas pessoas escolheram a profissão com base no que gostavam, ao invés da maioria que se decidiram pelo que dava dinheiro. Mas para surpresa de muitos, o primeiro grupo é que ficou rico. Este é um pensamento inteligente, no entanto não é bíblico, porque o homem de Deus não faz o que gosta e sim o que o Senhor ordena.
Perguntaram a Frankerlyn Granham o que ele tinha achado do filme que fizeram sobre seu pai, o mundialmente conhecido Billy Granham, e ele disse: “Não gostei muito, pois penso que o filme não retrata a paixão de papai pela pregação”. A respeito deste comentário alguns repórteres questionaram a irmã de Frankerlyn que afirmou: “Acho que o filme mostra sim a paixão de papai. Além do mais, não tenho certeza se ele teve paixão pela pregação. Papai teve um chamado e o aceitou”.Em nossa igreja havia uma mulher que não dava dízimo, brigava com todo mundo, no entanto se dizia serva de Deus porque cuidava das crianças na salinha. Só que ela estava se enganado e servindo a si e não a Deus.
Moisés e Gideão pediram insistentemente para que Deus levanta-se outros, no entanto como o Senhor disse “não”, eles disseram “sim” ao chamamento do Altíssimo, pois o prazer do homem de Deus é realizar o que dá prazer a Deus, é fazer a vontade do Pai. Se você trabalha na igreja, mas faz apenas o que gosta então você não é servo do senhor e sim empresário. É fácil ver a diferença entre estes dois tipos de pessoas, basta olhar como eles oram. Ímpios oram para mudar deus, nós oramos para Deus mudar a gente. Ímpios oram para que deus faça a vontade deles, crentes oram para que a vontade de Deus seja feita em nós.
4-Empresários precisam ser motivados
Homens de Deus sabem que foram comprados
.

Elogiar, recompensar e muitas outras são as técnicas usadas pelos empresários para motivar seus funcionários à ação, pois qualquer líder sabe que o desânimo não leva ninguém a lugar algum. Tudo isto é o que devemos fazer, porém o que constitui a base do nosso serviço a Deus é outro princípio: “Porque fostes comprados por preço. Agora, pois, glorificai a Deus no vosso corpo” (I Co 6:20). Devemos dizer para nosso povo: “Vocês estão aqui porque Deus os resgatou da lama do pecado e os transformou em seus servos. Vocês trabalham para Ele e não para mim. Portanto, vocês não tem escolha, precisam servi-lo. Seu único direito é não ter direito algum”. Não importa como estamos nos sentindo, devemos fazer a vontade de nosso senhor, simplesmente porque ele mandou. Jesus não tinha ânimo algum para morrer na cruz, pelo contrário, ele estava angustiado até a morte, contudo, sabia que estava ali para fazer o que Deus lhe havia ordenado.
Mt 16:24 “Se alguém quer vir após mim, a si mesmo se negue, tome a sua cruz e siga-me”. Isto foi o que Cristo disse, mas hoje temos que ficar massageando o ego das ovelhas, senão elas abandonam a igreja. Se as pessoas na nossa igreja só agem quando estão motivadas, então somos empregados motivados e não escravos comprados que entenderam que tem que servir a Deus independente de como eles estão. Está motivado? Ótimo! Caso contrário, negue a si mesmo e siga a Jesus.
“Disse-lhes Jesus: A minha comida consiste em fazer a vontade daquele que me enviou e realizar a sua obra” (Jo 4:34). Davi encontrou um rapaz que estava sem comer já fazia três dias. Logo após ser alimentado o rapaz “recobrou o ânimo” (I Sm 30:12). Sabe por que muitos cristãos encontram-se desanimados? Não estão ingerindo a comida que Jesus comia, pois quem se alimenta do manjar do céu, jamais reclamará da falta de pão na terra.

Autor: Pr. Rodrigo David Mocellin 

Espirito Santo

Vida cristã não é apenas aprender novas regras e sim ganhar nova vida. Mais do que mandamentos morais, precisamos do poder do Espírito Santo sobre nós. Não estou falando do “poder” evidenciado por muitos crentes, não estou me referido a estas manifestações carnais. Como sei que são carnais? Primeiro, porque não há nenhum paralelo bíblico. Segundo, eles ficam tão cheios do “poder” no culto e depois saem dali e tratam a esposa como traste, fofocam e cometem todo tipo de pecado.

Como somos cheios do Espírito?



1-Tendo fome de Deus

Nos países árabes os muçulmanos oram rigorosamente três vezes ao dia. Não importa onde esteja, mesmo que na rua, na hora certa, você o verá de joelhos. Dificilmente o enxergará com lágrimas nos olhos e com fervor, mas ritualmente ele cumprirá seu dever. Não, cristianismo não é apenas ritual é vida. No salmo 63 Davi diz que tem fome de Deus.

M. Loyd Jones costumava dizer que a boa pregação é lógica pegando fogo. Ora, o cristianismo verdadeiro também. Nós normalmente definimos que para alguém ser racional ele não pode ser emocional. Que todo intelectual é frio. Ora, isto é um absurdo e acho muito estranho, pois não há nada que faça arder mais o coração do que enxergar a verdade. Como você pode permanecer gelado ao entender a verdade da cruz: de que Deus nos amou mesmo sendo nós pecadores? Ora, quem não é movido no intimo por este fato é porque nunca foi movido na mente.

2-Seguindo o ciclo de Ef 5:18

Orando, cantando, agradecendo e tendo comunhão com os irmãos.


3-Cruz

Antes de Jesus vir ao mundo o Espírito Santo era privilégio de reis, sacerdotes e profetas, isto por que devido ao pecado do homem Deus não podia habitar no ser-humano. Contudo, através da cruz, o Espírito Santo foi liberado a todos aqueles que crêem em Jesus. E aqui está um princípio de como ele é liberado nas nossas vidas hoje: através das muitas circunstancias de sofrimento que nós enfrentamos.

Antes de ir para a cruz Jesus suou gotas de sangue no jardim do Getsemani. Esta palavra significa: lagar de azeite, que era o lugar onde os homens espremiam a azeitona para retirar o azeite. Na bíblia, azeite é sempre símbolo do Espírito Santo. Sendo assim, quanto mais você for pisado, quebrantado por Deus, mais do Espírito Santo irá fluir em você. Paul Washer pergunta: “Qual o sinal de que você tem andado durante anos com o Senhor? -e responde- É que você estará quebrado em mil pedaços”.
Um dos grandes objetivos da vida cristã é que você aprenda a confiar mais em Cristo e menos em você. O que é conversão? É isto: Senhor, reconheço que não sou e não posso nada. Preciso de ti. Ora, o caminhar com Cristo é o aumentar desta revelação. No começo do meu ministério eu pensava que as coisas irão dar certo porque eu jejuava, orava, me santificava e porque tinha as ferramentas certas. Então as coisas não aconteceram do jeito que eu esperava e me fez clamar: “Senhor eu não dou conta, preciso do poder e da misericórdia do Senhor”. Veja, eu á tinha confiado no Senhor quando me converti, mas estava crescendo neste mesmo aprendizado. Isto porque só faz sentido dizer “tudo posso nele” se primeiro eu afirmar “nada posso em mim”.

Autor: Pr. Rodrigo David Mocellin 


Figueira sem fruto

Mc11:12-13

1-Cobrança é bíblico
A maioria de nós não gosta de cobrança, porém a exigência por resultados, na medida certa é bíblica e saudável.

A figueira não deu fruto e Jesus a puniu por isto. na parábola dos talentos Jesus repreendeu aquele que não havia produzido nada com o talento recebido.
Na vida, o que nos salva de uma existência medíocre é a cobrança. Qual a diferença de um garoto que vai passar no vestibular para que aquele que possível não irá? A cobrança de seus pais para que ele estude. Qual a diferença de bons relacionamentos para relacionamentos que não avançam? Uma delas é a cobrança. Eu sei que hoje é quase proibido exigir algo do outro. Já ouviu aquela frase, ou melhor, aquela reclamação: “O que? você não confia em mim?”. “Onde foi?” com quem estava?” é ouvido como se fosse um palavrão.



Um marido desconfiado chegou em casa e viu sua esposa no quarto de um jeito muito suspeito. Então disse: “Acho que você está me traindo. Vou olhar no armário para ver se o pilantra está ali”. Diante disso, sua esposa retrucou: “Se você olhar eu termino com você, pois você precisa aprender a confiar em mim”. Agindo desta maneira, esta mulher colocou o marido na parede, porque se ele olhar e não tiver nada no armário, ele perdeu a esposa. Agora, se olhar e tiver alguém lá, ele também perdeu a esposa. O que lhe resta então é deixar o armário fechado, mas continuar com uma duvida aberta. Tá vendo, esta história de viver com “base na confiança” é que traz desconfiança. Deixe-me dizer uma coisa; sabe quem não gosta de ser cobrado? Quem está devendo.
Em II Co 8 Paulo explica de maneira clara e honesta como estava lidando com a oferta que era administrada por ele. Por que ele agiu como agiu? “pois o que nos preocupa é procedermos honestamente, não só perante o Senhor, como também diante dos homens”.
Estes dias ouvi de um pastor, a seguinte frase: “O segredo é porta para o diabo. Se você não confessa um pecado para alguém, você inevitavelmente irá praticá-lo de novo”. Esta frase é extremamente bíblica, porque Tiago 1:16 diz: “confessai, pois, os vossos pecados uns aos outros e orai uns pelos outros, para serdes curados”.
Na medida certa a cobrança é motivadora. Certa vez eu via como um treinador fazia com sua nadadora. De cima da piscina ele dizia: “Não pare, não pare. Mais forte, mais forte”. Pode ter certeza, esta cobrança é o que ajudava aquela atleta a jamais pensar em desistir. Agora, diante de qualquer cobrança alguns reclamam assim: “Que negocio é este, tão querendo me prender”. Sabe o que é isto? Desculpa de relaxado.

2-Para Deus até no inverno temos que dar fruto

O verso 13 diz que a figueira não tinha frutos porque não era tempo de dar frutos. No entanto, mesmo assim, Cristo exigia frutos daquela arvore. Conosco não é diferente. Tem época que as coisas são complicadas. Pressão em casa, no trabalho, mas ainda assim temos que ser homens e mulheres de Deus.
Um homem explode, quebra o pau, fala um monte de besteira e depois se desculpa nos seguintes termos: “Me perdoem. Mas eu não sou assim, só fiz isto porque estou debaixo de pressão”. E o mundo aceita esta desculpa porque, naturalmente falando, ninguém espera frutos em épocas de inverno. Entretanto, com Deus é justamente o contrário, é bem na hora da tribulação que Deus revela quem nós somos.
Pv 14:10 diz: “Se te mostrar fraco no dia da angustia, a tua força é pequena”. Tratar bem a mulher na época da paixão, do namoro, qualquer um faz, isto é natural. Vir a igreja quanto tudo está bem é natural. Dar o dizimo quando tenho sobra é natural. Ser bom com aqueles que são conosco é natural. A questão é que não fomos chamados para ser naturais, Deus nos pede o impossível, para fazer coisas que os outros não fazem.

3-Para Deus frutos são mais importantes que folhas.

O que impressiona o mundo? Beleza, talentos, enfim, folhas. O cara pode ser um pilantra, desde que ele seja o mais rápido, o mais forte, o mais inteligente. Para as pessoas deste século, uma arvore feia é uma arvore sem folhas, enquanto que para o Senhor é uma arvore sem caráter.

Na realidade até as igrejas trocaram o “ser” pelo “fazer”. Tanto que até inverteram o grande significa de fruto na bíblia, visto que na palavra do Senhor, fruto está sempre associado, em primeiro lugar, com caráter e não com ganhar vidas (Gl 5:22, Mt 7:22, Lc 3:8-14, Tt 3:14)
É claro que temos que ganhar vidas, temos que fazer, porém isto é conseqüência do ser. Não podemos colocar os carros na frente dos bois. É possível ajuntar gente, pregar maravilhosamente bem e ainda assim estar condenado (Mt 7:22, ICo 9:27, Mt 16:26).
Hoje se fala muito nas igrejas de “ser grande”. Ora isto é pecado, o que nós temos que ser é homens de Deus. Querer ser um sucesso aos olhos do mundo é pecado (Sl 131:1). já reparou que estes pastores ambiciosos acabam sempre caindo? Por quê? É que a soberba precede a queda diz Pv 16:18. Sua única ambição é a de ser como Cristo.

4-Sem frutos com maldição

Porque não tinha frutos Jesus amaldiçoou a figueira e ela secou.

Agora, deixe-me falar do outro lado de dar fruto é que o fazer. Nós temos atualmente o grupo do “fazer” e o grupo do “ser”. Em qual eu e você devemos nos encaixar? Ser ou fazer eis a questão.
Ora, nós não estamos em nenhum dos grupos e estamos nos dois ao mesmo tempo. Porque o ser é moldado durante o fazer. Não existe esta história de me tornar como Cristo no monastério, longe de tudo e de todos. O fazer não pode ser um fim em si mesmo, porém é um ótimo meio para nos levar a termos caráter. É possível fazer e não ser, entretanto para ser eu tenho que fazer.
Veja por exemplo, alguém que está interessado em ganhar almas para Jesus. Ele ora, geme e nada acontece. Então começa a pensar: “Puxa, o que está errado em mim?”. Aí então ele descobre: “Ah, é porque sou arrogante. vou me arrepender para que o Senhor possa me usar”. E aí então fazendo ele acaba sendo. Entretanto, aquele sujeito que não quer realizar nada na vida, dificilmente terá estas crises, e por isto raramente ira crescer em seu caráter.
O sonho de muitas pessoas é o de não precisar produzir, é de aposentar e ficar sossegado. Entretanto o dia que isto acontecer saiba: você começara a secar.
Sabia que muitas pessoas depois que aposentam entram em depressão? E sabe por que? É que não tem mais o que fazer da vida, a não ser esperar a morte. O dia que Davi ficou ocioso ele abriu uma porta para o pecado entrar em sua casa. Portanto, faça da sua vida algo que valha a pena. Seja ativo na sua igreja, faça a obra do Senhor, e então seja como ele é.

Autor: Pr. Rodrigo David Mocellin 


Conduzindo a Vida como o Mundo.


II Sm 6:6

O texto acima conta o dia em que Davi tentou trazer a arca da aliança para Jerusalém, no entanto em vez de glória o que veio sobre ele foi juízo no instante que Uzá estende a mão e tentar tocar na arca.
João disse: “Não ameis o mundo”. Tiago falou que: “Infiéis não compreendeis que a amizade do mundo é inimiga de Deus? Aquele, pois que quiser ser amigo do mundo constitui-se inimigo de Deus”.
O mundo não é um lugar, é um estilo de vida, é uma linha de pensamento; pensamento contra Deus. Te ma cara feia do mundo, homicídio, adultério, mas também existe seu lado mais sutil, de “amor”. O mundo diz: “Temos que nos amar. Nada de discutir religião, isto só leva a brigas. Você é sincero? Então viva sua fé do seu jeito”. Parece bonito não é? Mas isto é totalmente contra a Deus.



Raul Gil, um apresentador nacionalmente conhecido, que se diz crente em Jesus, disse estes dias: “Eu não sou gay, mas não tenho nenhum preconceito”. O que ele está dizendo é: quem condena o homossexualismo é preconceituoso. Agora, ele que não tem nada contra é que ama as pessoas.
Davi e Uzá trouxeram o juízo de Deus sobre suas cabeças porque amam o mundo.

1-Deus não precisa de ajuda humana
Diz o texto que Davi, junto com o povo, estava conduzindo a arca da aliança, que simboliza a presença de Deus, num carro de bois. Entretanto, num dado momento do trajeto os bois tropeçaram. Foi aí que Uzá estendeu a mão para “salvar” a arca e foi fulminado. Em épocas difíceis, onde parece que a igreja não vai prevalecer, o homem em sua boa intenção, em seu zelo por Deus, pensa: “Não, só a mensagem da cruz, só a bíblia e o Espírito Santo não bastam. Precisamos de algo mais; da psicologia, do marketing mundano, da liderança empresarial e até da macumba”.
Sim, porque muito disso que vemos feito nas igrejas dito em nome de Deus, na verdade são artifícios mundanos. Ou da onde você acha que vem “vale do sal”, “rosa ungida”, “lenço não sei do que”, senão da macumba? A diferença é que lá é sal grosso e aqui é sal fino.
Mas espere aí, Deus não usou o lenço de Paulo para curar? Não, querido, não foi por causa do lenço, mas apesar dele. Repare o texto, não foi Paulo, o líder quem levou o lenço e sim o povo em suas superstições. Deixe-me dar outro exemplo. Tem pessoas que foram curadas e dizem que o foram por Maria. E aí, foi Maria mesmo? Claro que não, não foi por Maria, mas apesar da idolatria, Deus em sua graça decidiu fazer na vida daquela pessoa. O mesmo acontece com a idolatria do lenço, da rosa… E estes cultos onde o povo rola, ri, baba… você não sabe da onde vem? Os crentes dizem que é de At 2, mas eu digo que é da rua 4, da tenda da vovó cambinda.
Em uma época onde os lideres da igreja começaram a achar necessário a ajuda da filosofia grega para fazer uma ponte até o mundo ímpio, Tertuliano, teólogo do sec II disse: “O que Atenas tem a ver com Jerusalém? Que associação há entre Platão e Jesus?”.
No século vinte e um, minha pergunta é: O que Jesus tem haver com Freud? O que Jesus tem haver com psicólogos de hoje? O que Jesus tem haver Roberto Justus? O que Jesus tem haver com Duda Mendonça,-marqueteiro famoso no Brasil-? O que Jesus tem haver com David Coperfild- ilusionista famosa em décadas passadas?
Você acha que Freud, o pai da psicanálise, que era um cheirado de cocaína, deprimido serve de modelo para nós? Ou então estes psicólogos que em sua maioria tem famílias destruídas? Você acha que um pastor deve se parecer mais com um executivo, arrogante, confiante em si do que com Cristo, humilde e simples? Você pensa que a maneira de atraímos as pessoas é com marketing e não mais com unção? E que o culto tem que ser mesmo um show de ilusionismo onde os pastores fazem as pessoas caírem, fazem dinheiro sumir, mas nunca conseguem levá-las a andar?
Óh, Deus como os pastores atuais acham que Deus precisa da ajuda do homem para edificar sua igreja. Para ganhar um terreno, os ministros vendem a alma para os políticos. Ficam felizes quando um “grande”, um artista famoso se “converte”, porque na idéia deles, o nome destas pessoas irá trazer credibilidade ao nome de Jesus.
Querido, você sabia que grande parte do ministério de Paulo foi na cadeia? Querido você sabia que a maioria dos apóstolos morreram cedo? Mas ainda assim o evangelho foi levado para todo o mundo. Se Deus não precisava nem dos seus melhores líderes, de quem ele precisa para edificar a sua igreja? Pode ficar sossegado, Deus é auto-sustentável. Igrejas que se sustentam porque homens a seguram, não tem nada da glória de Deus ali, pois onde há glória, o homem não pode segurar.
Em I Co 6:1 Paulo repreendeu os coríntios por buscarem os juízes do mundo para julgarem suas causas. Em Ed a bíblia diz que as nações inimigas queriam “ajudar” Israel a reconstruir os muros de Jerusalém. E a palavra do Senhor constantemente repreendia Israel quando eles buscavam ajuda para vencer suas batalhas na Assíria ou no Egito. O senhor sempre perguntava nestas horas: Não há Deus em Israel? Eu não vos sou suficiente?
Nós somos igreja e você como pessoa não precisamos do mundo.
Abraão ao ver sua esposa estéril buscou num adultério a solução para seu problema, transando com para ver se conseguia cumprir a “vontade de Deus”.
Você se sente só? Você precisa ir até o mundo para buscar uma Agar? Não, confie em Deus. Você quer oportunidade na igreja e acha que pressionando seu pastor vai conseguir? Não basta confiar que Deus na hora certa vai te levantar? Você jovem, quer ficar com as menininhas, você adulto quer ser um sucesso porque quer ser aceito pelo mundo? Você acha que precisa do elogio deles? Não! “Mas pastor, a coisa ta feia. A caixa vai cair!”, você me diz. Se Deus é por você, não cai não. Portanto, não mete a mão onde você não é chamado.
É interessante notar algo; o texto diz que os bois tropeçaram, mas não fala nada da arca caindo. O nosso problema é que não acreditamos mais em milagres. Não cremos que o Senhor possa nos dar uma solução impensada. Mas Ele pode.
2-Não precisamos imitar o mundo
A bíblia diz em I Sm 6:7 que os filisteus trouxeram a arca num carro de boi. Davi, fez o mesmo e por isto o juízo de Deus veio sobre ele. Ele não consultou a bíblia para saber como trazer, antes olhou para o mundo.
Nós fazemos o mesmo, em vez de buscar a palavra para saber que tipo de roupa vestir, como criar nossos filhos, como administrar nosso dinheiro nós imitamos o mundo. Deixamos nossos filhos nas mãos dos bois, ou melhor da creche, dos avós, dos vizinhos e achamos que é normal porque todo mundo faz assim. Permitimos que as mulheres governem a igreja e os nossos lares, porém quando alguém diz que isto é errado e cita Paulo: “Não permito que a mulher exerça autoridade de homem” ficamos extremamente chocados, porque no “mundo” moderno é assim. Pensamos que somos “boa pessoa” só porque não matamos, não roubamos e freqüentamos o culto. Por que? Porque o mundo diz isto.
A gente vai conduzindo a vida assim e tudo bem, porque dizemos: “Os mundanos fizeram assim e ninguém morreu”. Disse bem, eles, agora com quem é filho a história é outra: “se estais sem correção… logo sois bastardos e não filhos” (Hb 12:8), uma hora os bois tropeçam.
A bíblia diz que os filisteus colocaram a arca numa carro novo, mas a ordem era que os levitas a carregassem. A gente olha isto e diz: “Isto é que é lugar para carregar a arca, num carro. Usa homens? Ah, não, isto é pré-histórico”.
Punir meu filho com vara? não, o mundo mudou.
Roupa larga? Não, eu quero justinho e moderninho.
O que? Voltar pra casa amar minha família e viver para igreja? Não, tenho tempo, o mundo capitalista me chama.
É incrível como invejamos o mundo. Você olha para o seu patrão e diz: “Olha que picape cabine dupla bonita. Isto é que é carro de bois. Bem que eu poderia ter um igualzinho”. E aí começamos a ser motivados pela cobiça.
Em Tg 4, o apostolo diz que não devemos ser amigos do mundo, mas antes disso ele fala de cobiça. Por que ele coloca a cobiça ao lado do mundo? Por que o que mais caracteriza o mundo é a cobiça.
Você quer a vida dos ímpios? Asafe também queria: “eu invejava os arrogantes ao ver a prosperidade dos perversos”. O que o fez mudar? “até que entrei no santuário de Deus e atinei com o fim deles. Tu certamente os pões em lugares escorregadios e os fazes cair na destruição (Sl 73). É, uma hora os bois tropeçam.
O evangelismo atual diz: “Temos que ser iguais ao mundo para ganhar o mundo”. Entenderam errado o que Paulo disse em I Co 9 onde ele diz que se fez judeu para ganhar judeu, se fez gentio par ganhar gentio. Eles traduzem isto assim: “Fiz-me gay para ganhar os gays, fiz-me lutador de vale tudo para ganhar lutador”.
Será que pra eu ganhar os jovens eu tenho que colocar gel no cabelo e para ganhar os adultos preciso por uma peruca branca? Será que foi este tipo de identificação que Paulo fazia com sua platéia? Não. Só para dar um exemplo, Paulo pregou para os gregos, se tinha uma coisa que era marca dos gregos era a cultura e a boa oratória. Agora, olha como Paulo levou Jesus para eles: “A minha palavra e a minha pregação não consistiram em linguagem persuasiva de sabedoria, mas em demonstração do Espírito e de poder” (I Co 2:4).
Como então ele se fez tudo para ganhar todos? Pregou a mesma mensagem de um modo diferente. Para os judeus ele usou a história dos judeus para comprovar que Cristo era o Messias e com os gregos ele começou pregando o evangelho falando da natureza.
Jesus falou que a usa morte na cruz seria : “Quando for levantado atrairei todos a mim”. A mesma cruz atrai todos: rico e pobres, nobre e plebeus, visto que todos tem algo em comum, o pecado. E pra ele só existe uma cura, a cruz.
Não vamos ganhar o mundo sendo iguais a eles, muito pelo contrário, a nossa singularidade é a nossa maior atração (Ex 33:16). Que tipo de identificação João batista fez com as pessoas de sua época, usando roupas de camelo comendo gafanhoto e morando no deserto? Nenhuma, no entanto se diz que: “saíam a ter com ele Jerusalém, toda a Judeia e toda a circunvizinhança” (Mt 3:5).

3-Sinceridade não basta
O que temos aqui não é um homem fulminado porque estava tentando trazer uma imagem, um ídolo ou uma prostituta para Jerusalém, ele queria trazer a presença de Deus. Ele tinha boas, intenções, mas de boa intenção o inferno está cheio.
Há uma idéia hoje de que: desde que seja sincero, Deus é obrigado a aceitar. Lc 12:48 diz o contrário, afirmando que mesmo o servo que não sabia a vontade de Deus recebeu punição.
Você acha que um muçulmano radical que explode seu corpo não é sincero? claro que ele é, ele realmente acredita que aquilo é o certo a fazer. agora veja, só porque ele é sincero isto significa que o que ele faz é bom? Não, antes é extremamente maligno.
Paulo dos seus compatriotas judeus Paulo diz: “eu lhes dou testemunho de que eles têm zelo por Deus, porém não com entendimento”. O oposto de zelo é relaxamento. Paulo diz, não estes judeus não são relaxados quando o assunto é Deus, são fervorosos e dedicados”. Agora, o zelo sem entendimento acaba em luta contra Deus. Sim porque toda a oposição dos judeus contra Jesus era em nome do seu zelo. Você pode ser sincero e dedicado e ainda assim estar lutando contra Deus.
Hoje não é diferente, há uma quantidade enorme de pastores, de pais e pessoas sinceras, mas que estão trazendo a ira de Deus sobre suas cabeças, porque não lêem suas bíblias.
Logo após uzá ser morto Davi perguntou: Como virá a mim a presença do Senhor?
Em I Cr 15:2 Davi descobriu. Ele leu em dt, que dizia que arca só podia ser carregada por levitas.
Sendo assim, a maneira de trazer a presença de deus até nós é indo até a palavra.
Rm 10:17 diz que a fé vem por ouvir a palavra. Quando perguntaram a Moody: Como trazer avivamento? Ele foi claro em sua resposta: “Acenda uma fogueira no púlpito”.


Autor: Pr. Rodrigo David Mocellin